Reconfigurar as imagens e filmar o inimigo:

aspectos das emoções no documentário Excelentíssimos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29146/ecops.v25i2.27888

Palavras-chave:

Golpe institucional, Comoção Pública, Cinema Brasileiro, Documentário, Imagens Midiáticas

Resumo

Este artigo pretende compreender como o documentário Excelentíssimos (Douglas Duarte, 2018) reflete a construção midiática da comoção social em apoio ao impeachment de Dilma Rousseff, considerando as ressonâncias para a ascensão de Jair Bolsonaro na eleição presidencial de 2018. A construção metodológica é constituída pela análise fílmica, sendo selecionadas sequências do longa-metragem a fim de destacar a inter-relação de suas imagens sob dois aspectos preponderantes e correspondentes entre si. O primeiro é desenvolvido a partir da análise das emoções em cena e as reconfigurações das imagens do inimigo, com base nas discussões de Comolli (2008) e Didi-Huberman (2018), enquanto o segundo, também a partir de Comolli, enfatiza elementos que apresentam a encenação performática e as emoções evocadas para a concretização de um golpe com semblante institucional.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Zanetti Negrini, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutor e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul onde atualmente realiza estágio de pós-doutorado. Integra o Grupo de pesquisa em comunicação, estética e política (Kinepoliticom) e o Grupo de pesquisa em cinema, audiovisual, tecnologias e processos formativos. 

Guilherme Fumeo Almeida, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutor em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Bacharel em Jornalismo e Mestre em Comunicação e Informação pela mesma universidade. Integra o ARTIS - Grupo de Pesquisa em Estética e Processos Audiovisuais e o Laboratório de Investigação de Comunicação Comunitária e Publicidade Social (LACCOPS)

Referências

AB’SÁBER, Tales. Dilma Rousseff e o ódio político. São Paulo: Hedra, 2005.

COMOLLI, Jean-Loius. Ver e poder – a inocência perdida: cinema, televisão, ficção, documentário. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

DATAFOLHA. Preso, Lula mantém liderança em disputa pela presidência. Data Folha Instituto de Pesquisas, 2018. Disponível em: http://datafolha.folha.uol.com.br/eleicoes/2018/04/1965039-preso-lula-mantem-lideranca-em-disputa-pela-presidencia.shtml Acesso em: 27 mai. 2022.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Povo em lágrimas, povo em armas. São Paulo: N-1 Edições, 2021.

______. Remontagens do tempo sofrido: o olho da história, II. São Paulo: Editora 34, Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.

LAGO, Miguel. Como explicar a resiliência de Bolsonaro? In: Linguagem da destruição: a democracia brasileira em crise. STARLING, Heloisa; LAGO, Miguel; BIGNOTTO, Newton (Org.). São Paulo: Companhia das Letras, 2021.

NINEY, François. El documental y sus falsas apariencias. Cidade do México: Universidade Nacional Autônoma do México, 2015.

Downloads

Publicado

2022-10-31

Como Citar

Zanetti Negrini, M., & Fumeo Almeida, G. (2022). Reconfigurar as imagens e filmar o inimigo:: aspectos das emoções no documentário Excelentíssimos. Revista Eco-Pós, 25(2), 121–141. https://doi.org/10.29146/ecops.v25i2.27888