Não tentem parar as imagens

Autores

  • Eduardo Queiroga UFMG

DOI:

https://doi.org/10.29146/ecops.v25i2.27821

Palavras-chave:

Fotografia, Coletivo fotográfico contemporâneo, Apropriação, Pio Figueiroa

Resumo

Selecionamos dois momentos da trajetória do fotógrafo Pio Figueiroa para discutir um agir que acontece no espaço fluido das fronteiras da fotografia: a atuação no coletivo fotográfico Cia de Foto e o trabalho “O pior é infinito”, em desenvolvimento. O trânsito entre linguagens, o uso de apropriação e a formação de coletivos são práticas que questionam, politicamente, o lugar do fotógrafo e os limiares da fotografia na produção contemporânea. Falas do próprio artista e escritos de Jacques Rancière – e outros autores – são acionados na discussão sobre quem fala, sobre os modos de produção e circulação de imagens nas práticas analisadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Queiroga, UFMG

É fotógrafo e educador. Autor dos livros “Cordão” e “Coletivos fotográficos contemporâneos”. Professor do Departamento de Fotografia e Cinema da Escola de Belas Artes da UFMG. Integrante do Museu da Parteira. É doutor pelo PPGCOM-UFPE. Um dos idealizadores do Pequeno Encontro da Fotografia. Cofundador da Escola Livre de Imagem e do Projeto FotoLibras.

Referências

ANJOS, M. Apontamentos sobre a política da arte. In: Política da Arte. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Diretoria de Memória, Educação Cultura e Arte – Meca, Coordenação de Artes Visuais, 2014.

BARTHES, R. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

CIA DE FOTO. Processo de criação. In: Olhavê. Disponível em: <http://www.olhave.com.br/blog/?p=3689>. Acesso em: 10 fev. 2011

COSTA, H; SILVA, R. A fotografia moderna no Brasil. São Paulo: Cosac Naify, 2004

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol 1. São Paulo: Ed. 34, 1995.

FIGUEIROA, P. “Não outra cidade, outro mundo” - Valparaíso: paisagem histórica viva em fotografias. In Ícone. V. 15 n.2. Recife: PPGCOM/UFPE, 2014.

______. Entrevista concedida ao autor por e-mail em fevereiro de 2021.

FORD, K. A antifotografia na Cia de Foto destruição, remixagem & redefinição de autoria como processos de criação. Dissertação de mestrado. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA. Programa Associado de Pós-Graduação em Artes Visuais, Recife, 2015

GUIMARÃES ROSA, J. Terceira margem do rio. In: Primeiras Estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

PAIM, C. Táticas de artistas na América Latina: coletivos, iniciativas coletivas e espaços autogestionados. Porto Alegre: Panorama Crítico Ed., 2012.

POIVERT, M. Notas sobre a imagem encenada, paradigma reprovado da história da fotografia?. In: Porto Arte. Porto Alegre: PPGAV/UFRGS, v. 21, n. 35, maio 2016

QUEIROGA, E. Coletivos Fotográficos Contemporâneos. Curitiba: Editora Appris, 2015.

RANCIÈRE, J. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Ed. 34, 1996.

______. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO experimental org.; Editora 34, 2009.

______. O expectador emancipado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

SOLOMON-GODEAU, A. Photography at the dock. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2003.

Downloads

Publicado

2022-10-31

Como Citar

Queiroga, E. (2022). Não tentem parar as imagens. Revista Eco-Pós, 25(2), 337–358. https://doi.org/10.29146/ecops.v25i2.27821