Disputa por visibilidade e polarização afetiva em torno do comunismo:

uma análise exploratória de vídeos no YouTube

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29146/ecops.v25i1.27706

Palavras-chave:

Comunismo, YouTube, Comunicação Política Online

Resumo

O termo comunismo tem atraído a atenção dos pesquisadores de comunicação política diante de um contexto de retomada de guerras culturais assentadas em plataformas de mídias sociais. Examinamos neste artigo as características do debate político online sobre comunismo, especificamente no YouTube. Para tanto, realizamos uma pesquisa exploratória de caráter descritivo para identificar os principais atores, conteúdos, narrativas e enquadramentos temáticos de vídeos sobre comunismo na plataforma. Como resultado, destacamos que, no Brasil, o debate sobre comunismo no YouTube foca na história do comunismo enquanto um conceito teórico, no anticomunismo como uma ferramenta discursiva no contexto político brasileiro, e na suposta contradição entre as ideias comunistas e valores da sociedade ocidental representados pelos princípios cristãos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Carreiro, Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital – INCT.DD

Doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela UFBA, mestre pela mesma instituição e especialista em Jornalismo e Convergência Midiática. Atualmente é pesquisador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital (INCT.DD), por onde desenvolve projeto de estágio pós-doutoral.

Eurico Matos, Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV DAPP)

Doutor e mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia. É pesquisador na Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV DAPP) e é membro do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital (INCT.DD).

 

Tatiana Dourado, Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV DAPP)

Jornalista com doutorado e mestrado pelo Programa de Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia. Pesquisadora bolsista na Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas e membro do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital.

 

Pedro Mesquita, Universidade Federal da Bahia – UFBA

Doutorando em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) com foco em Comunicação Política e mestre pela mesma área e instituição. Graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

 

Maria Dominguez, Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital – INCT.DD

Doutoranda em Ciência Política pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (IESP-UERJ). É mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia e jornalista pela mesma instituição. É membro do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital.

 

Referências

ABRAMOWITZ, A. I.; SAUNDERS, K. L. Is Polarization a Myth?. The Journal of Politics, v. 70, n. 2, p. 542–555, abr. 2008.

ALDÉ, A. Cidadãos na rede: Tipos de internautas e sua relação com a informação política online. Revista Contemporânea, v. 09, n. 3, p. 370–389, 2011.

ANDERSON, A. et. al. The “Nasty Effect”: Online Incivility and Risk Perceptions of Emerging Technologies. Journal of Computer-Mediated Communication, v. 19, n. 3, p. 373–87, 2013.

ALVES DOS SANTOS, M. Desarranjo da visibilidade, desordem informacional e polarização no Brasil entre 2013 e 2018. Tese (doutorado) — Niterói, RH: Universidade Federal Fluminense, 2019.

BAPTISTA, E. et al. A circulação da (des)informação política no WhatsApp e no Facebook. Lumina, v. 13, n. 3, p. 29–46, 30 dez. 2019.

BAIL, C., ARGYLE, L., BROWN, T., BUMPUS, J., CHEN, H., HUNZAKER, M. B., … VOLFOVSKY, A. Exposure to opposing views can increase political polarization: evidence from a large-scale field experiment on social media. SocArXiv, XXX(Xx), 1–6. 2018. https://doi.org/10.17605/OSF.IO/4YGUX

BENNETT, W. L.; LIVINGSTON, S. The disinformation order: Disruptive communication and the decline of democratic institutions. European Journal of Communication, v. 33, n. 2, p. 122–139, abr. 2018.

BOCZKWSKI, P. News At work: imitation in an Age of Information Abundance. University of Chicago Press, ed. 1, Chicago. 2010.

BOYD, D.; CRAWFORD, K. Critical questions for big data: Provocations for a cultural, technological, and scholarly phenomenon. Information Communication and Society, v. 15, n. 5, p. 662–679, 2012.

CHADWICK, A. The Hybrid Media System: Politics and Power. [s.l.] Oxford University Press, 2013.

CHAGAS, V.; MODESTO, M.; MAGALHÃES, D. O Brasil vai virar Venezuela: medo, memes e enquadramentos emocionais no WhatsApp pró-Bolsonaro. Esferas, n. 14, ago. 2019.

CHAGAS, V; CARREIRO, R. Macarthismo no Zap: Como se comporta a rede anticomunista de apoiadores de Jair Bolsonaro. In: CERVI, E. U.; WEBER, M. H. Impactos político-comunicacionais nas eleições brasileiras de 2018. Curitiba: CPOP / Carvalho comunicação, 2021.

DOURADO, T. Fake news na eleição presidencial de 2018 no Brasil. Tese (Doutorado) - Bahia: Universidade Federal da Bahia, 2020.

FIORINA, M. P.; ABRAMS, S. J.; POPE, J. C. Culture war? The myth of a polarized America. New York: Pearson Education, 2006.

FIORINA, M. P.; ABRAMS, S. J. Political polarization in the American public. Annual Review of Political Science, v. 11, p. 563–588, 2008.

RUEDIGER, M. A., GRASSI, A., DOURADO, T., CALIL, L., PIAIA, V., ALMEIDA, S., & CARVALHO, D.. Desinformação on-line e eleições no Brasil: A circulação de links sobre desconfiança no sistema eleitoral brasileiro no Facebook e no Youtube (2014-2020), Rio de Janeiro: FGV DAPP, 2020. Disponível em https://democraciadigital.dapp.fgv.br/wp-content/uploads/2020/11/Relatorio-1-Texto.pdf

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS, DAPP. O ECOSSISTEMA DIGITAL NAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS DE 2020 NO BRASIL: O buzz da desconfiança no sistema eleitoral no Facebook, YouTube e Twitter. Rio de Janeiro: FGV DAPP, 2020. Disponível em: <https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/30061>.

GILLESPIE, T. A relevância dos algoritmos. Parágrafo, v. 6, n. 1, p. 95-121, jan./abr. 2018.

GOMES, W. Esfera Pública Política e Comunicação em Mudança Estrutural da Esfera Pública de Jurgen Habermas. In: Gomes, W. & Maia, R. (orgs.). Comunicação e democracia: Problemas & perspectivas. São Paulo: Paulus, pp. 29-68. 2008.

HIMMELFARB, G. One nation, two cultures. Vintage, 2001.

HUNTER, J. Culture Wars: The Struggle to Define America. Basic Books. 1991

IYENGAR, S.; SOOD, G.; LELKES, Y. Affect, not ideology: a social identity pespective on polarization. Public Opinion Quarterly, v. 76, n. 3, p. 405–431, 1 set. 2012.

LATTMAN-WELTMAN, F. Contextos, e não conteúdos: informação , preferências e influência política midiática. In: Anais do V CONGRESSO DA COMPOLÍTICA, Curitiba-PR, 2013.

LEMOS, A. L. M.; BITENCOURT, E. C.; DOS SANTOS, J. G. B. Fake news as fake politics: the digital materialities of YouTube misinformation videos about Brazilian oil spill catastrophe. Media, Culture & Society, 4 dez. 2020.

LEVENDUSKY, M. How Partisan Media Polarize America. Chicago: University of Chicago Press, 2013.

LEMOS, A.; BITENCOURT, E.; DOS SANTOS, J. Fake news as fake politics: the digital materialities of YouTube misinformation videos about Brazilian oil spill catastrophe. Media, Culture & Society, n. c, 4 dez. 2020.

MACHADO, C. et al. Ciência contaminada: analisando o contágio de desinformação sobre coronavírus via YouTube. Parte 1 da série Democracia Infectada. Disponível em: < https://laut.org.br/ciencia- -contaminada.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2020.

MENDONÇA, R F. DIMENSÕES DEMOCRÁTICAS NAS JORNADAS DE JUNHO: REFLEXÕES SOBRE A COMPREENSÃO DE DEMOCRACIA ENTRE MANIFESTANTES DE 2013. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 33, n. 98, 16 abr. 2018.

PRIOR, M. Media and Political Polarization. Annual Review of Political Science, v. 16, n. 1, p. 101–127, 11 maio 2013.

RIEDER, B. YouTube Data Tools (Version 1.22) [Software]. 2015. Disponível em https://tools.digitalmethods.net/netvizz/youtube/. Acessado dia 2 de abril de 2021.

RIEDER, B; MATAMOROS-FERNÁNDEZ, A.; COROMINA, O. From ranking algorithms to ‘ranking cultures’ Investigating the modulation of visibility in YouTube search results. Convergence, v. 24, n. 1, p. 50-68, 2018

RIEDER, B; COROMINA, O; MATAMOROS-FERNÁNDEZ. Mapping YouTube: A quantitative exploration of a platformed media system. First Monday, v. 25, n. 8, 2020.

SAVIGNY, H. Public Opinion, Political Communication and the Internet. Politics, v. 22, n. 1, p. 1–8, 23 fev. 2002.

SINGER, A. O Lulismo em crise: um quebra-cabeça do período Dilma (2011-2016). São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2018.

SUHAY, E.; BELLO-PARDO, E.; MAURER, B. The Polarizing Effects of Online Partisan Criticism: Evidence from Two Experiments. The International Journal of Press/Politics, v. 23, n. 1, p. 95–115, 29 jan. 2018.

SOUSA, M. M. S. DE S. O QUE VOCÊ SENTE SOBRE POLÍTICA? A influência da percepção de ameaça sobre a polarização afetiva no eleitorado. (Tese - Doutorado em Ciência Política). Universidade Federal de Pernambuco, 2019.

THOMPSON, John B. The New Visibility. Theory, Culture & Society, v. 22, n. 6, p. 31–51, 29 dez. 2005.

VAN AELST, P. et al. Political communication in a high-choice media environment: a challenge for democracy?. Annals of the International Communication Association, v. 41, n. 1, p. 3–27, 2017.

Downloads

Publicado

2022-06-21

Como Citar

Carreiro, R., Matos, E., Dourado, T., Mesquita, P., & Dominguez, M. (2022). Disputa por visibilidade e polarização afetiva em torno do comunismo:: uma análise exploratória de vídeos no YouTube. Revista Eco-Pós, 25(1), 386–412. https://doi.org/10.29146/ecops.v25i1.27706