No Círio de Nazaré, as filhas da Chiquita também fazem a festa: resistência, conflitos e reinvenção de uma urbe amazônica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29146/eco-pos.v21i3.12377

Resumo

Realizado desde 1793, em Belém, Pará, o Círio de Nazaré é uma das maiores festas religiosas do mundo. Nos anos 1970, os frequentadores do Bar do Parque, ícone da boêmia paraense, inspiraram-se no movimento que lutava pelos direitos dos homossexuais nos anos 60, e criaram o que hoje é conhecida como a Festa da Chiquita, elemento profano mais polêmico do Círio. Voltada para o público LGBT, a festa já passou por vários conflitos e sofre com a tentativa constante de desvinculá-la do evento religioso. Buscamos refletir sobre a relação dessa manifestação cultural com a cidade de Belém, levando em conta sua capacidade de transformá-la e produzir novas experiências sensíveis. Nossa estrutura teórica baseia-se em Maffesoli (2009), com a noção da vida cotidiana como obra de arte e sua capacidade de agregação; La Rocca (2015), sobre a construção de uma poética capaz de (re)desenhar os ambientes urbanos; e a ideia de Harvey (2014) sobre o direito à cidade principalmente para as pessoas oprimidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Phillippe Sendas de Paula Fernandes, Museu Paraense Emílio Goeldi

Bolsista do Programa de Capacitação Institucional do Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG/MCTIC/CNPq). Mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Netília Silva dos Anjos Seixas, Universidade Federal do Pará

Professora adjunta da Faculdade de Comunicação e do Programa de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia da Universidade Federal do Pará. Doutora e Mestre em Letras, área de concentração em Linguística, pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

Referências

Fontes bibliográficas e literárias

ALVES, Isidoro. O carnaval devoto: um estudo sobre a Festa de Nazaré, em Belém. Petrópolis, RJ: Vozes, 1980.

ALVES, Regina. Círio de Nazaré: Da taba marajoara à aldeia global. 2002. 212 p. Dissertação (Mestrado) -- Universidade Federal do Pará e Universidade Federal da Bahia. Programa de Mestrado Interinstitucional em Comunicação e Cultura Contemporâneas.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 2013.

CANCLINI, Néstor García. Arte fora de si. In: A sociedade sem relato. São Paulo: EDUSP, 2012.

CASTRO, Fábio Fonseca de. A cidade sebastiana: Era da borracha, memória e melancolia numa capital da periferia da modernidade. Belém: Edições do Autor, 2010.

FERNANDES, Phillippe Sendas de Paula. Em Belém, o vai e vem da fé: jornais, memória e Círio de Nazaré. 2013. 102 p. Trabalho de conclusão de curso (Comunicação Social -- Jornalismo) -- Faculdade de Comunicação, Universidade Federal do Pará.

FIGUEIREDO, Silvio Lima. Círio de Nazaré, festa e paixão. In: FIGUEIREDO, Silvio Lima (Org.). Círio de Nazaré: festa e paixão. Belém: EDUFPA, 2005, p. 19-39.

HARVEY, David. A visão de Henri Lefebrve. In: Cidades rebeldes. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

JURANDIR, Dalcídio. Belém do Grão-Pará. Belém: EDUFPA; Rio de Janeiro: Casa Rui Barbosa, 2004.

LA ROCCA, Fabio. A encenação do corpo e suas formas expressivas na cidade. In: SIQUEIRA, Denise (Org.). A construção social das emoções. Porto Alegre: Sulinas, 2015.

MARANHÃO, Haroldo. Rio de raivas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1987.

MAFFESOLI, Michel. Ética da estética. In: O mistério da conjunção. Porto Alegre: Sulina, 2009.

MAUÉS, Raymundo Heraldo. O homem que achou a Santa: Plácido José de Souza e a devoção à Virgem de Nazaré. Belém: Alves Gráfica e Editora, 2009.

RIBEIRO, Milton. “Eu sou a filha da Chiquita Bacana...”: notas antropológicas sobre a Festa da Chiquita em Belém do Pará. Gênero na Amazônia, v. 6, p. 183-212, 2014. Disponível em: http://www.generonaamazonia.ufpa.br/edicoes/edicao-6/artigos/9_Eu_Sou_a_Filha_da_Chiquita.pdf Acesso em 10 jun. 2016.

ROCQUE, Carlos. História do Círio e da Festa de Nazaré. Belém: Mitograph, 1981.

SARGES, Maria de Nazaré. Belém: riquezas produzindo a Belle Époque (1870-1912). Belém: Paka-Tatu, 2000.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço. São Paulo: EDUSP, 2008.

Fontes documentais

IPHAN. Círio de Nazaré: Dossiê I. Rio de Janeiro: IPHAN, 2006.

Fontes audiovisuais e fonográficas

BRASIL, Priscilla. As Filhas da Chiquita. Brasil: Greenvision, 2006. 52 min.

VELOSO, Caetano. A Filha da Chiquita Bacana. In: VELOSO, Caetano. Muitos Carnavais. Rio de Janeiro: PolyGram/Philips, 1989. 1 CD. Faixa 3.

Downloads

Publicado

2018-12-26

Como Citar

Fernandes, P. S. de P., & Seixas, N. S. dos A. (2018). No Círio de Nazaré, as filhas da Chiquita também fazem a festa: resistência, conflitos e reinvenção de uma urbe amazônica. Revista Eco-Pós, 21(3), 247–264. https://doi.org/10.29146/eco-pos.v21i3.12377

Edição

Seção

Perspectivas