A não discursividade da arte contemporânea

Autores

  • Rachel Costa

DOI:

https://doi.org/10.29146/eco-pos.v19i3.5427

Resumo

O artigo analisa a argumentação flusseriana dos meios teÌcnicos que organizam o modo de pensar de cada sociedade, dando foco para a uÌltima transição de media: a transição do texto para a imagem teÌcni- ca. O objetivo eÌ mostrar como o filoÌsofo compreende essa modificação e quais são suas consequeÌ‚ncias, utili- zando como pano de fundo sua ontologia, a qual pressupõe a arte como origem do mundo, ou melhor, dos mundos, de suas vaÌrias versões. Para exemplificar sua teoria, são analisadas quatro obras da artista Mira Schendel. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-12-23

Como Citar

Costa, R. (2016). A não discursividade da arte contemporaÌ‚nea. Revista Eco-Pós, 19(3), 254–265. https://doi.org/10.29146/eco-pos.v19i3.5427

Edição

Seção

Perspectivas