Da curadoria ao algoritmo

Criação de trilhas por Inteligência Artificial e bibliotecas digitais

Autores

  • Geórgia Cynara Coelho de Souza Universidade Estadual de Goiás – UEG/Universidade Federal de Goiás – UFG/Universidade de São Paulo – USP

DOI:

https://doi.org/10.29146/ecops.v25i1.27869

Palavras-chave:

Trilha musical, Inteligência Artificial, bibliotecas digitais, composição, curadoria.

Resumo

Implicações estéticas e profissionais do uso de Inteligência Artificial (IA) e bibliotecas musicais digitais na composição musical para audiovisual. Amparado em pesquisas bibliográficas sobre som e música no audiovisual, reportagens e entrevistas com compositores que lidam com IA e/ou bibliotecas em seu cotidiano (Abdalla, 2021; Pierrobom, 2021; Ludwig, 2018; Domene, 2018), refletimos sobre a composição musical menos como resultado de um “ímpeto criativo de autor” e mais como uma complexa curadoria de sonoridades disponíveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geórgia Cynara Coelho de Souza, Universidade Estadual de Goiás – UEG/Universidade Federal de Goiás – UFG/Universidade de São Paulo – USP

Doutora e pós-doutoranda em Meios e Processos Audiovisuais pela ECA/USP. Mestre em Comunicação pela Universidade Federal de Goiás (UFG), especialista em Cinema e Educação pelo Instituto de Filosofia e Teologia de Goiás e graduada em Comunicação Social/Jornalismo pela UFG. É jornalista, musicista, compositora e docente titular do curso de Bacharelado em Cinema e Audiovisual da Universidade Estadual de Goiás (UEG) e do Programa de Pós-Graduação em Performances Culturais da UFG.

Referências

ABDALLA, Sérgio. Sérgio Abdalla: depoimento [out. 2021]. São Paulo, 2021.

ABRAMUS. Inteligência artificial na música: o fim do compositor? Disponível em: <https://www.abramus.org.br/noticias/16377/inteligencia-artificial-e-musica/>. Acesso em: 28 abr 2021.

ADAMS, R.; HNATIUK, D.; WEISS, D. Music Supervision: The Complete GuideToSelecting Music for Movies + TV + Games + New Media. New York: Schirmer Trade Books, 2017.

ADORNO, Theodor; EISLER, Hanns. Composing for the Films. New York: Oxford University Press, 1947.

AMPER MUSIC. Amper music. Disponível em: <https://www.ampermusic.com>. Acesso em: 21 mar 2022.

CARRASCO, Claudiney R. Trilha musical: música e articulação filmica. Tese (Doutorado) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

DEAHL, Dani. How AI-generated music is changing the way hits are made. The Verge, 2018. Disponível em: https://www.theverge.com/2018/8/31/17777008/artificial-intelligence-taryn-southern-amper-music Acesso em: 9 mai 2022.

DE MARCHI, Leonardo. Pós-streaming: um panorama da indústria fonográfica na Quarta Revolução Industrial. Diálogos Interdisciplinares sobre a Música Brasileira, 2020. Disponível em: https://www.academia.edu/44283683/P%C3%B3s_streaming_um_panorama_da_ind%C3%BAstria_fonogr%C3%A1fica_na_Quarta_Revolu%C3%A7%C3%A3o_Industrial . Acesso em: 8 mai 2022.

DOMENE, Maurício. Maurício Domene: depoimento [nov. 2018]. São Paulo, 2018.

DURAND, Júlia. Library music(king): A library music como processo social e acção colectiva. Revista Portuguesa de Musicologia, v. 5, n. 1, 2018, págs. 117-132. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7302320>. Acesso em: 21 mar 2022.

GONZAGA, Francisco; FERNANDES, Matheus. Com a inteligência artificial, criar música é uma questão de segundos. Disponível em: https://arte.estadao.com.br/focas/estadaoqr/materia/inteligencia-artificial-musica-startup-amper . Acesso em: 8 mai 2022.

KASSABIAN, Anahid. Hearing Film – Tracking Identifications in Contemporary Hollywood Film Music. New York/London: Routtledge, 2001.

LUDWIG, Julian. Julian Ludwig: depoimento [out. 2018]. São Paulo, 2018.

OLIVEIRA, M. P. As Transformações do Mercado Musical e as Plataformas de Crowdfunding e Licenciamento Musical. Revista Sonora, Campinas, v. 6, n. 12, p. 1-16, 2017. Disponível em: <https://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/sonora/article/download/740/972>. Acesso em: 17 mar 2019.

PIERROBOM, Eduardo. Eduardo Pierrobom: depoimento [abr. 2021]. São Paulo, 2021.

RUSSELL, S; NORVIG, P. Artificial Intelligence: A Modern Approach, 3rd Edition. Prentice Hall, 2010.

SEAVER, Nick. Algorithms as culture: Some tactics for the ethnography of algorithmic systems. Big Data & Society, v. 4, n. 2, 2017. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/2053951717738104 . Acesso em: 8 mai 2022.

SMALL, Christopher. Musicking. Middletown: WesleyanUniversity Press, 1998.

SOUZA, Geórgia C. C. Licenciamento musical digital: trilhas disponíveis e compositores “anônimos”. Anais da Jornada Interdisciplinar de Som e Música no Audiovisual, Rio de Janeiro, 4a edição, págs. 7-24, 2019. Disponível em: <https://conferencias.ufrj.br/index.php/jisma/jisma/paper/view/2702> . Acesso em: 21 mar 2022. 017. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/2053951717738104 . Acesso em: 8 mai 2022.

Downloads

Publicado

2022-06-21

Como Citar

Coelho de Souza, G. C. (2022). Da curadoria ao algoritmo : Criação de trilhas por Inteligência Artificial e bibliotecas digitais. Revista Eco-Pós, 25(1), 301–319. https://doi.org/10.29146/ecops.v25i1.27869