A Fala Flutuante

Considerações sobre o uso da voz em Família Rodante de Pablo Trapero

Autores

  • Suzana Reck Miranda Universidade Federal de São Carlos - UFSCar
  • Debora Regina Taño Universidade Federal de São Carlos - UFSCAR

DOI:

https://doi.org/10.29146/ecops.v25i1.27843

Palavras-chave:

trilha sonora, voz no cinema, cinema argentino

Resumo

A voz tem sido um dos assuntos centrais nos estudos do som no cinema, sobretudo a partir da década de 1980, quando teóricos passaram a olhar – e ouvir – o que os corpos nas telas, e fora delas, dizem. Essa voz, no entanto, tende a ser ouvida enquanto palavra que significa e não necessariamente como elemento sonoro. Neste sentido, o presente artigo busca outras formas de presença sonora da voz, por meio da análise do filme Família Rodante (2004), de Pablo Trapero, no qual as falas dos personagens oscilam entre a construção de suas subjetividades e a formação de seu entorno. A partir de tais achados, propõem-se o termo fala flutuante para esta voz que possui uma relevância narrativa para além da semântica e que perpassa diferentes camadas de significados, de posições e de escutas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suzana Reck Miranda, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Bacharel em música (piano) pela UFSM, mestre e doutora em Multimeios (cinema) pela UNICAMP. Professora Associada do Departamento de Artes e Comunicação (DAC) e do Programa de Pós-Graduação de Imagem e Som (PPGIS), ambos da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). É pesquisadora e autora de vários textos (artigos e capítulos de livros) sobre som e música no cinema.

Debora Regina Taño, Universidade Federal de São Carlos - UFSCAR

Doutoranda em Engenharia de Produção (PPGEP) pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), mestre e graduada em Imagem e Som pela mesma universidade. É professora no Centro Universitário Central Paulista (Unicep) e atua como produtora executiva, montadora e editora de áudio. Suas pesquisas são nas áreas de som no cinema, cinema argentino contemporâneo e redes de produção e distribuição na indústria cinematográfica brasileira

Referências

BORDWELL, David. O cinema clássico hollywoodiano: normas e princípios narrativos. In RAMOS, Fernão. Teoria Contemporânea do Cinema, vol II. São Paulo: Senac, 2005. p.227-301.

BUCKLAND, Warren. Acusmatic voice and metaleptic narration in Inland Empire. In: VERSALLIS, Carol; HERZOG, AMY; RICHRDSON, John (ed). The Oxford Handbook of Sound and Image in Digital Media.New York: Oxford University Press, 2013. p. 236-249.

CHION, Michel. La Audiovisión.Barcelona: EdicionesPaidós Ibérica SA, 1993.

CHION, Michel. La voz en el cine. Madrid: Ediciones Cátedra, 2004.

COSTA, Fernando Morais da. Silêncios e vozes no cinema: Tabu e Stereo. Significação: revista de cultura audiovisual, v. 41, n. 41, p. 140-155, 2014.

COSTA, Fernando Morais da. Mil e uma noites, Arábia. Vozes de narradores, sons ambientes, silêncios, crise, trabalhismo. C-Legenda-Revista do Programa de Pós-graduação em Cinema e Audiovisual, v. 1, n. 38-39, p. 160-175, 2020.

DOANE, Mary Ann. A voz no cinema: A articulação de corpo e espaço. In: XAVIER, Ismail. A Experiência do cinema: antologia. Rio de Janeiro. EdiçõesGraal: Embrafilme, 1983. p.457-475.

DOLAR, Mladen. A voice and nothing more. London: The MIT Press, 2006.

IHDE, Don. Listening and Voice - Phenomenologies of sound. Albany: State University of New York Press, 2007.

PUCCINI, Sérgio. A voz e o microfone: uma análise de Partido alto, documentário de Leon Hirszman. Contemporânea (UFBA), 2019. v. 17, p. 285-304.

PUCCINI, Sérgio. A voz de Deus e do Diabo em Viva Cariri. Imagofagia, 2016. v. 13, p. 1-23.

PUCCINI, Sérgio. As vozes e o silêncio em Cartola, música para os olhos. Rumores (USP), 2015. v. 9, p. 72-85.

QUILIVAN, Davina. The Place of Breath in Cinema. Edinburgh University Press, 2012.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral.São Paulo: Editora Cultriz, 2006.

SILVERMAN, Kaja. The Acoustic Mirror: The Female Voice in Psychoanalysis and Cinema. Indiana University Press, 1988.

SHINGLER, Martin. Fasten your seatbelts and prick up your ears: the dramatic human voice in film. Scope: An Online Journal of Film Studies,n. 5, 2006.

STILWELL, Robynn J. The Fantastical Gap between Diegetic and Nondiegetic. In: GOLDMARK, D et al (ed). Beyond the soundtrack: Representing music in cinema. Los Angeles: Universityof California Press, 2007. p. 184-202.

TAÑO, Debora Regina; MIRANDA, Suzana Reck. Flutuações de tempo e espaço por meio do som: voz e música em Família Rodante. Rebeca, 2020. v. 9, p. 225-239.

TAÑO, Debora Regina; MIRANDA, Suzana Reck. Música e voz cantada em/de Família Rodante. Imagofagia. 2020.v. 21, 57-76.

VERARDI, Malena. Viaje al interior de la estructura familiar en Familia Rodante. In: Nuevo cine argentino (1998 - 2008): formas de una época. Buenos Aires: UBA, 2010. Tese (Doutorado) Facultad de Filosofia y Letras, Universidad de Buenos Aires, Buenos Aires, 2010. p. 201-211.

Downloads

Publicado

2022-06-21

Como Citar

Reck Miranda, S., & Regina Taño, D. . (2022). A Fala Flutuante: Considerações sobre o uso da voz em Família Rodante de Pablo Trapero. Revista Eco-Pós, 25(1), 62–80. https://doi.org/10.29146/ecops.v25i1.27843