A política e as noites no cinema brasileiro recente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29146/ecops.v25i2.27662

Palavras-chave:

Cinema brasileiro recente, Noite, Política, Estética, Trauma

Resumo

A proposta deste ensaio é analisar a significação da noite como espaço-tempo social em filmes brasileiros realizados ao final da década de 2010. Para além da expressividade e simbologia negativas da treva, costumeiras na iconografia do cinema, busca-se investigar de que modo a noite articula-se a questões políticas. O enfoque recai sobre a sujeição da experiência social do trabalhador aos períodos diurno e noturno, em Arábia (Affonso Uchôa e João Dumans, 2017), o papel da escuridão num testemunho de violência policial, em Sete anos em maio (Affonso Uchôa, 2019), e o lugar da noite no contexto de militância, em Conte isso àqueles que dizem que fomos derrotados (Pedro Maia de Brito, Cristiano Araújo, Camila Bastos, Aiano Bemfica, 2018). A análise privilegia o entendimento político das obras a partir de suas invenções formais, notadamente na narrativa e na plasticidade da imagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edson Costa Júnior, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Pesquisador de pós-doutorado (FAPESP 21/02448-5) e Professor Participante Temporário no Instituto de Artes da Unicamp. Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, com estágio de pesquisa na Université Sorbonne Nouvelle – Paris 3. Realizou pesquisa de pós-doutorado no Departamento de Artes Plásticas da ECA-USP, período em que atuou como professor colaborador no PPGAV.

Referências

AUMONT, J. Le montreur d’ombre: essai sur le cinéma. Paris: J.VRIN, 2012.

BANU, Georges. Nocturnes: peindre la nuit, jouer dans le noir. Paris: Biro, 2005.

BEMFICA MINEIRO, A. A Imagem Tática: reflexões sobre o papel das imagens na atuação do MLB. In: PILAR, Olívia; GUERRA, Ana; BRITO, Alessandra (org.). Comunicar, Insurgir: Engajamentos metodológicos na pesquisa em Comunicação. Belo Horizonte: Fafich/ PPGCOM/UFMG, 2020, p. 295-310.

BELTING, H. Pour une anthropologie des images. Paris: Gallimard, 2004.

BLUMENBERG, H. Light as a Metaphor for Truth: At the Preliminary Stage of Philosophical Concept Formation. In: LEVIN, David Michael (org.). Modernity and the Hegemony of Vision. Berkeley: University of California Press, 1993, p. 129–169.

BRENEZ, N. Political cinema today. The new exigencies: for a Republic of Images. Screening the past, Setembro 2013. Disponível em: http://www.screeningthepast.com/2013/09/political-cinema-today-–-the-new-exigencies-for-arepublic-of-images/. Acesso em: 15 jan. 2021.

CANDIDO, A. “A educação pela noite”. In: A educação pela noite. 6ª edição. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2017, p. 13-27.

CANDELA. Pour une sociologie politique de la nuit: Introduction. Cultures & Conflits, N. 105-16, primavera/verão, L’harmattan, 2017, p. 7-27. DOI https://doi.org/10.4000/conflits.19432.

CÉSAR, A. Que lugar para a militância no cinema brasileiro contemporâneo? Interpelação, visibilidade e reconhecimento. Revista Eco-Pós, v. 20, n. 2, 2017, p. 101-117. DOI https://doi.org/10.29146/eco-pos.v20i2.12493.

COHN, A. As políticas de abate social no Brasil contemporâneo. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, n. 109, 2020, p. 129-160. DOI https://doi.org/10.1590/0102-129160/109.

COSTA JÚNIOR, E. P. da. A comunidade na expropriação: modos de alteridade no cinema de Pedro Costa. MATRIZes, v, 14, n. 1, jan./abr. 2020, p. 267-288. DOI https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v14i1p267-288.

CRARY, J. 24/7: capitalismo e os fins do sono. Tradução: Joaquim Toledo Jr. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

DIDI-HUBERMAN, G. Sobrevivência dos vaga-lumes. Tradução Vera Casa Nova e Márcia Arbex. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

GAGNEBIN, J. Lembrar escrever esquecer. 2ª edição. São Paulo: Editora 34, 2009.

HARVEY, D. Spaces of hope. Edimburgo: Edinburgh University Press, 2000.

KREIN, J. O desmonte dos direitos, as novas configurações do trabalho e o esvaziamento da ação coletiva. Consequências da reforma trabalhista. Tempo social, v. 30, n. 1, 2018, p. 77-104. DOI https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2018.138082.

LEANDRO, A.; ARAÚJO, M. Torturadores e torturados: a violência de Estado em dois filmes brasileiros recentes. Doc On-line, n. 28, set. 2020, p. 40-63. https://doi.org/10.25768/20.04.02.28.03.

LÖWY, M.; SAYRE, R. Revolta e melancolia. Tradução: Nair Fonseca. São Paulo: Boitempo, 2015.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. Tradução: Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 5ª edição. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2018.

MESQUITA, C. Sete anos em maio: entre a solidão do sobrevivente e a expansão do trauma. In: Forumdoc.bh. Belo Horizonte: Associação Filmes de Quintal, 2019, p. 178-182. Disponível em: www.forumdoc.org.br/wpcontent/uploads/2019/11/Catalogo-forumdoc-2019-1.pdf. Acesso em: 20 jan. de 2021.

MILNER, M. L’envers du visible: essai sur l’ombre. Paris: Éditions du seuil, 2005.

OLIVEIRA, V. Intervir na história: modos de participação das imagens documentais em lutas urbanas no Brasil. Orientadora: Cláudia Cardoso Mesquita. 2019. f. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, UFMG, Belo Horizonte, 2019

SELIGMANN-SILVA, M. O testemunho: entre a ficção e o real. In: História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora Unicamp, 2003, p. 371-385.

STOICHITA, V. Breve história da sombra. Lisboa: KKYM, 2016.

Downloads

Publicado

2022-10-31

Como Citar

Costa Júnior, E. (2022). A política e as noites no cinema brasileiro recente. Revista Eco-Pós, 25(2), 258–282. https://doi.org/10.29146/ecops.v25i2.27662