Informe publicitário travestido de ensaio acadêmico

Autores

  • Francisco Rüdiger Pontifícia Universidade Católica e Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.29146/eco-pos.v21i3.18241

Resumo

A resenha relata e analisa estudo sobre a “pornocultura” que, amparando-se na nova mídia digital e interativa, teria emergido na contemporaneidade. A conclusão é a que a obra toma o discurso publicitário pelo sociológico, na medida em que se limita a fazer uma reportagem entusiástica de fenômeno que sequer precisa de legitimação acadêmica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Rüdiger, Pontifícia Universidade Católica e Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil

Doutor em ciências sociais pela Universidade de São Paulo, mestre em filosofia pela Universidade Federal do Rio Grande do SUl

Referências

DÍAZ-BENITEZ, Maria. Nas redes do sexo. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

MAFFESOLI, Michel. Homo eroticus. Rio de Janeiro: Forense, 2014.

McNAIR, Brian. Streaptease culture. Londres: Routledge, 2002.

THE ECONOMIST. “Naked capitalism 2”. Londres, 26/9/2015, s. p.

VALE, Alexandre. No escurinho do cinema. São Paulo: Annablume, 2000.

WIKIPEDIA. 'Ilona Staller'. In Wikipedia, L'enciclopedia libera, 20/3/ 2018.

YEHIA, Naief. Pornocultura. Barcelona: Tusquets, 2013.

Downloads

Publicado

2018-12-26

Como Citar

Rüdiger, F. (2018). Informe publicitário travestido de ensaio acadêmico. Revista Eco-Pós, 21(3), 265–270. https://doi.org/10.29146/eco-pos.v21i3.18241

Edição

Seção

Resenhas