Militância Podcaster Feminista:

Um Exercício Etnográfico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29146/eco-ps.v25i3.27951

Palavras-chave:

Feminismo, Podcast, Etnografia Online, Ativismo Digital, Mulheres Podcasters

Resumo

Apesar de celebrado o crescimento do consumo de podcasts no Brasil, a pesquisa com pessoas produtoras ainda é incipiente. Com o objetivo mapear mulheres produtoras de podcast no Brasil que iniciaram suas atividades entre os anos de 2015 e 2020, além de compreender características e práticas feministas realizadas por estas, foram utilizados métodos mistos, como a análise de dados de pesquisas de mercado já realizadas, etnografia digital e coleta de dados por formulário eletrônico, com campos de resposta aberta e fechada. Como principal resultado, identificou-se que o grupo de mulheres que produz esta mídia se nomeia majoritariamente como feminista. Ademais, restou demonstrado que há um interesse contínuo das produtoras no movimento político feminista e no fortalecimento em rede a partir da busca por ambientes seguros de militância.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Hack, Universidade Federal de Goiás

Mestre no Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Direitos Humanos da Universidade Federal de Goiás (UFG) e Graduada em Direito pelo Centro Universitário de Brasília. Pesquisadora na área de direitos humanos, gênero, feminismo, podcast e ativismo digital.

Angelita Lima, UFG

Professora do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Direitos Humanos da UFG e da Faculdade de Informação e Comunicação da UFG. Doutora em Geografia Humana, Mestre em Educação Brasileira, Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo. É pesquisadora de gênero e direitos humanos.

Referências

ABPOD. PodPesquisa 2019. ABPOD, 2020. Disponível em: https://abpod.org/podpesquisa-2019/. Acesso em: 3 abr. 2022.

_______. Podpesquisa 2020-2021 produtores. Brasil: ABPOD, 2021. Disponível em: https://abpod.org/podpesquisa/. Acesso em: 12 dez. 2021.

_______. CBN. Podpesquisa 2018. Brasil: ABPOD, 2019. Disponível em: https://abpod.org/podpesquisa/. Acesso em: 12 dez. 2020.

ALVAREZ, Sonia E. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista. Cadernos Pagu. Campinas, [S. l.], n. 43, p. 13–56, 2014. DOI: 10.1590/0104-8333201400430013.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. O Trabalho do Antropólogo. 2. ed. Brasília: Paralelo 15: São Paulo: Editora UNESP, 2000.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento: contribuições do feminismo negro. Em: HOLLANDA, Heloísa Buarque De; VAREJÃO, Adriana (org.). Interseccionalidades: pioneiras do feminismo negro brasileiro. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 62–83.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

COLLINS, Patricia Hill. Interseccionalidade. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2020.

CRENSHAW, Kimberle. Demarginalizing the Intersection of Race and Sex: A Black Feminist Critique of Antidiscrimination Doctrine, Feminist Theory and Antiracist Politics. Stanford Law Review, [S. l.], v. 43, n. 6, p. 1241–1299, 1991.

_______. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, [S. l.], v. 1, p. 171–188, 2002.

DAVIS, Angela Yvone. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FRASER, Nancy. Rethinking the Public Sphere: A Contribution to the Critique of Actually Existing Democracy. Social Text, [S. l.], n. 25/26, p. 56–80, 1990. DOI: 10/fgp8qj.

GONZALEZ, Lelia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Em: HOLLANDA, Heloísa Buarque De; VAREJÃO, Adriana (org.). Interseccionalidades: pioneiras do feminismo negro brasileiro. Pensamento feminista brasileiro. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 24+48.

GONZALEZ, Lelia. Por um feminismo afro-latino-americano. Em: HOLLANDA, Heloísa Buarque De; VAREJÃO, Adriana (org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. a. p. 42–57.

_______. Por um feminismo afro-latino-americano. Rio de Janeiro: Zahar, 2020b.

HACK, Aline. 200 podcasts com mulheres podcasters - Olhares Podcast. 2019. Disponível em: https://olharespodcast.com.br/200-podcasts-com-mulheres-podcasters/. Acesso em: 3 abr. 2022.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Vertice Ed. Revista dos Tribunais, 1990.

HINE, Christine. Virtual ethnography. London; Thousand Oaks, Calif: SAGE, 2000.

_______. Ethnography for the Internet: embedded, embodied and everyday. London; New York: Bloomsbury Academic, An imprint of Bloomsbury Publishing Plc, 2015.

HINE, Christine; PARREIRAS, Carolina; LINS, Beatriz Accioly. A internet 3E: uma internet incorporada, corporificada e cotidiana. Cadernos de Campo. São Paulo, 1991, [S. l.], v. 29, n. 2, p. e181370, 2020. DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe181370.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social, [S. l.], v. 26, p. 61–73, 2014. DOI: 10.1590/S0103-20702014000100005.

HOOKS, bell. Teoria Feminista. São Paulo: Perspectiva S/A, 2020. Disponível em: http://public.eblib.com/choice/PublicFullRecord.aspx?p=6435194. Acesso em: 1 abr. 2022.

LUGONES, María. Colonialidad y género. Em: ESPINOSA MIÑOSO, Yuderkys; GÓMEZ CORREAL, Diana Marcela; OCHOA MUÑOZ, Karina (org.). Tejiendo de otro modo: feminismo, epistemología y apuestas descoloniales en Abya Yala. Popayán, Colombia: Editorial Universidad del Cauca, 2014a, p. 57–74.

_______. Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas, [S. l.], v. 22, n. 3, p. 935–952, 2014b. DOI: 10.1590/%25x.

_______. Colonialidad y Género. Em: LUGONES, María; JIMÉNEZ-LUCENA, Isabel; TLOSTANOVA, Madina (org.). Género y descolonialidad. 3. ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2021. p. 19–62.

MACHADO, Maíra Rocha. Pesquisar empiricamente o direito. São Paulo: Rede de Estudos Empíricos em Direito, 2017.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Ofício de Cartógrafo: Travessias latino-americanas da comunicação na cultura. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

_______. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2013.

MATOS, Carolina. New Brazilian feminisms and online networks: Cyberfeminism, protest and the female ‘Arab Spring’. International Sociology, [S. l.], v. 32, n. 3, p. 417–434, 2017. DOI: 10.1177/0268580917694971.

MATOS, Marlise. Movimento e teoria feminista: é possível reconstruir a teoria feminista a partir do Sul global? Revista de Sociologia e Política, [S. l.], v. 18, n. 36, p. 67–92, 2010. DOI: 10.1590/S0104-44782010000200006.

MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flavia. Caleidoscópio convexo: mulheres, política e mídia. São Paulo, SP: Editora UNESP, 2011.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte, MG: Letramento, Justificando, 2017.

SARMENTO, Rayza. Análise de enquadramento e epistemologia feminista: discutindo implicações metodológicas. Teoria & Pesquisa: Revista de Ciência Política, [S. l.], v. 28, n. 3, 2019. DOI: 10.31068/tp.28305. Disponível em: http://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/view/760/440. Acesso em: 20 mar. 2022.

_______. ‪Ativismo Feminista Online: mapeando eixos de atuação‬. Revista Sul-Americana de Ciência Política, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 19–37, 2021. ‬‬‬‬‬‬‬

VOXNEST. Relatório Voxnest Brasil 2019: The State of the Podcast Universe. [s.l: s.n.]. Disponível em: https://www.comunique-se.com.br/wp-content/uploads/2020/01/BR_The_State_of_the_Podcast_Universe_2019.pdf. Acesso em: 20 mar. 2022.

Downloads

Publicado

2022-12-18

Como Citar

Hack, A., & Lima, A. P. de . (2022). Militância Podcaster Feminista:: Um Exercício Etnográfico . Revista Eco-Pós, 25(3), 340–360. https://doi.org/10.29146/eco-ps.v25i3.27951