Pessoas negras seguindo pessoas negras:

dinâmicas das identidades no Black Twitter brasileiro

Autores

  • Janderson Jacques Universidade de Santa Cruz do Sul
  • Willian Fernandes Araujo Universidade de Santa Cruz do Sul

DOI:

https://doi.org/10.29146/eco-ps.v25i3.27917

Palavras-chave:

Black Twitter, Identidade, Negritude, Black cyberculture

Resumo

O artigo tem como objetivo estudar as dinâmicas acerca da identidade negra com base no ambiente digital e nas discussões do chamado Black Twitter brasileiro. Para isso, foi realizada uma pesquisa de caráter etnográfico no Twitter durante o ano de 2020, promovendo interação com eventos e temas de discussão na plataforma. Por meio da investigação, buscamos compreender como as vivências da nomeada black cyberculture colaboram para dinâmicas de constituição das diferentes identidades da negritude no Twitter. Como resultado, observamos a constituição do Black Twitter como um espaço volúvel e complexo, de dinâmicas de colaboração e disputa, essencial para entender a constituição das identidades negras na contemporaneidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAUJO, Willian. Norma algorítmica como técnica de governo em Plataformas Digitais: um estudo da Escola de Criadores de Conteúdo do YouTube. Revista Fronteiras, v. 23, n. 1, 2021.

BROCK JR., André. Distributed Blackness: African American Cybercultures. New York: NYU Press, 2020.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Tradução de Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

D’ANDREA, Carlos. Pesquisando plataformas online: conceitos e métodos. Coleção Cibercultura. Salvador, EDUFBA, 2020. 79p.

FERNANDES, Viviane; SOUZA, Maria. Identidade Negra entre exclusão e liberdade. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo, n. 63, p. 103-120, 2016.

GOMES, Nilma. Educação e identidade negra. Aletria: revista de estudos de literatura. Belo Horizonte, v. 9, p. 38-47, 2002.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guaracira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HINE, Christine. Ethnography for the internet: Embedded, embodied and everyday. Routledge, 2015.

HOOKS, Bell. Olhares negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019.

PEREIRA, Pedro; COÊLHO, Tamires. Testemunhos Revelados por Tecnologias Racistas: Fotografias de Família e Ressignificação de Precariedades No Youtube. Contemporânea – Revista de Comunicação e Cultura, v. 19, n. 3, p. 79-100, 2021.

POLIVANOV, Beatriz. Etnografia virtual, netnografia ou apenas etnografia? Implicações dos conceitos. Esferas. Brasília, v. 1, n. 3, p. 61-71, 2013.

SILVA, Mozart; ARAUJO, Willian. Biopolítica, racismo estrutural-algorítmico e subjetividade. Educação Unisinos, v. 24, p. 1-20, 2020.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro. Rio de Janeiro: Graal, 1990.

TWITTER. 2020. Disponível em: <http://www.twitter.com>. Acesso em: 10 out. 2020.

Downloads

Publicado

2022-12-18

Como Citar

Jacques, J. ., & Fernandes Araujo, W. (2022). Pessoas negras seguindo pessoas negras: : dinâmicas das identidades no Black Twitter brasileiro . Revista Eco-Pós, 25(3), 158–177. https://doi.org/10.29146/eco-ps.v25i3.27917