A sobrevivência do santo que “desmunheca”

Montagem e identificação de um páthos queer na iconologia de São Sebastião

Autores

  • Dieison Marconi ESPM-SP

DOI:

https://doi.org/10.29146/eco-ps.v25i3.27908

Palavras-chave:

Estética, Política, Imagem, Desmunhecar, São Sebastião

Resumo

A proposta geral deste artigo é analisar a sobrevivência transcultural do “gesto de desmunhecar” de São Sebastião, santo de origem cristã que há mais de 100 anos tem tido sua iconologia apropriada em contextos queer. Em termos mais específicos, o objetivo é investigar uma fórmula patética ou traço mnemônico que constela as figuras canônicas e contemporâneas de São Sebastião a uma ampla comunidade de imagens, de diferentes frações temporais e geográficas, nas quais pulsos e mãos também “desmunhecam”. Em primeiro lugar, se levanta o argumento de que o rastro queer da iconologia de São Sebastião não é refém das iconologias homoeróticas que se apropriaram de sua estética apolínea e de suas associações com os traumas culturais impingidos às populações de sexo/gênero divergentes. Em segundo lugar, propõe-se que o “páthos do desmunhecar” só vem a corroborar, através dos sentidos de fabulação e de resistência, com os rearranjos queer da iconologia canônica do santo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dieison Marconi, ESPM-SP

Pós-Doutorando -ESPM-SP

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Ninfas. Valencia: Kadmos, 2010.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora, UFMG, 2013

BENJAMIN, Walter. Fragments. Poirier, Paris: Collège International de Philosophie/PUF, 2001.

_________. Obras escolhidas II: Rua de mão única. São Paulo: Brasiliense, 1987.

_________. Passagens. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

_________. Culturas híbridas. São Paulo: Edusp, 2011.

BERTE, Odailson. Vogue: dança a partir de relações corpo – imagem. Dança, Salvador, v. 3, n. 2 p. 69-80, jul/dez. 2014

_________. MARTINS, Raimundo. Vogue! Strike a pose! Se Posicione! Dançando com afetos e imagens. Chaud, E. (Orgs.). Anais do VII Seminário Nacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual. Goiânia-GO: UFG, FAV, 2014

DYER, Richard. The Image of a Homosexual as a Sad Young Man. In: The Culture of Queers, 116–36. New York: Routledge, 2002.

DARRIULAT, Jacques. Sébastien: le renaissant. Paris: Éditions de la Lagune, 1998.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente: história da arte em tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: contraponto, 2013.

_________. Atlas ou Gaia saber inquieto: O olho da história, III. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.

________. A sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

________. Imagens apesar de tudo. São Paulo: Editora 34, 2020.

FERNANDEZ, Dominique. L’amour qui ose dire son nom: art et homosexualité. Paris: Éditions Stock, 2001.

FALEIROS, Fabiana Amélio. O pulso que cai e as tecnologias do toque. 1. ed. São Paulo: Ikrek, 2016.

________. Desmunhecar, ocupar, chamar. Concinnitas | ano 17, volume 01, número 28, p. 385-382, 2016.

MICHAUD, Philipe-Alain. Aby Warburg e a imagem em movimento. Rio de Janeiro:

Contraponto, 2013.

MAULRAX, André. Le musée imaginaire de la sculpture mondiale, Des bas-reliefs aux grottes sacrées. Paris: Gallimard/Galerie de la Pleiade, 1954.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social; In: Epistemologias do Sul. Org: Boaventura de Souza e Santos, Maria Paula Meneses. São Paulo: Cortez, 2010.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento. São Paulo: Ed. 34, 2018a.

________. O desmedido momento. Serrote, n.28, 2018b, p. 77-97.

RINCÓN, Omar. O popular na comunicação: culturas bastardas + cidadanias celebrities. Tradução: Ciro Lubliner, Revista Eco Pós, v 19, n.3, 2016.

SONTAG, Susan. Doença como metáfora – AIDS e suas metáforas. São Paulo: Companhia de Bolso, 2007.

SANTOS, Alexandre. Tensionamentos entre religião, erotismo e arte: o martírio de São Sebastião. Porto Alegre: PPGAV/UFRGS, v. 21, n. 35, maio 2016

SOUZA, Isidro. São Sebastião, ícone gay. Revista Korpus nº 8, Lisboa, 1999. Disponível em: http://abre.ai/aWj0 Acesso: 28, dez, 2019.

STEPIC, Nikola. The Reproduction of Saint Sebastian as a Queer Martyr in Suddenly, Last Summer and Lilies. In: Journal of Religion and Culture; volume 26, no. 1 & 2 (2015/2016); Concordia University, Montreal, Quebec.

SCHIJEN, Sarah. Uma breve história sobre o voguing, contada pela Vogue. Disponível em: https://www.vogue.pt/voguing-historia-danca. Acessado em 06 de março de 2022.

WARBURG, Aby. A renovação da Antiguidade pagã: contribuições científico-culturais

para a história do Renascimento europeu. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

_______. Histórias de Fantasmas para gente grande: escritos, esboços e conferências. Organização de Leopoldo Waizbort. Tradução de Lenin Bicudo Bárbara. São Paulo: Companhia das letras, 2015.

WINCKELMANN, Johann. Réflexions sur l’imitation des œuvres grecques en peinture et sculpture. Alerçon (Orne): Aubier, 1990.

KEARNEY, Ryan; Rubber Intercessions: Saint Sebastian as Queer Communal Instigator during the AIDS Crisis; Dissertação de Mestrado apresentada ao Centro de Pesquisa em História da Arte e Curadoria, Universidade de Birmingham, Birmingham, 2018.

Downloads

Publicado

2022-12-18

Como Citar

Marconi, D. (2022). A sobrevivência do santo que “desmunheca”: Montagem e identificação de um páthos queer na iconologia de São Sebastião. Revista Eco-Pós, 25(3), 240–265. https://doi.org/10.29146/eco-ps.v25i3.27908