Lives Musicais em Performance

Mise-en-scène e encenações audiovisuais do “ao vivo” em Billie Eilish

Autores

  • Juliana Freire Gutmann Universidade Federal da Bahia – UFBA
  • Leonam Dalla Vecchia Universidade Federal Fluminense – UFF

DOI:

https://doi.org/10.29146/ecops.v25i1.27855

Palavras-chave:

Live, Audiovisual, Música, Performance, YouTube

Resumo

O estudo investiga o caráter performativo das livesem meio às audiovisualidades e interfaces do campo musical contemporâneo. Objetiva-se compreender disputas, modos de concepção e de reconhecimento dessa forma musical/audiovisual em relação aos sentidos de “ao vivo”, de gravado e de transmissão. O corpus analítico é composto por quatro apresentações da cantora estadunidense Billie Eilish e investe em protocolo teórico-metodológico que articula a noção de performance ao conceito de mise-en-scène. A análise apresenta pistas para a reflexão sobre como a ideia subsumida à palavra live foi esgarçada para acomodar formas audiovisuais distintas, mas que não deixam de reiterar modos de organização espacial, pictórica e performática que convocam senso de presença no espectador.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Freire Gutmann, Universidade Federal da Bahia – UFBA

Professora da Faculdade de Comunicação e do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia. Doutora em Comunicação e Cultura pela UFBA. Coordena o Grupo de Pesquisa Cultura Audiovisual, Historicidades e Sensibilidades (CHAOS) e atua como pesquisadora docente no Centro de Pesquisa em Estudos Culturais e Transformações na Comunicação (TRACC).

Leonam Dalla Vecchia, Universidade Federal Fluminense – UFF

Doutorando em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense, com ênfase em Estéticas e Tecnologias. Integrante do Laboratório de Pesquisa em Culturas e Tecnologias da Comunicação (LabCult). Coordenador da equipe de tradução da Revista Contracampo. Mestre em Comunicação pela UFF e Bacharel em Cinema pela Universidade Federal de Santa Catarina, com Intercâmbio Acadêmico em Motion Pictures pela Universityof Miami.

Referências

AUMONT, Jacques. Le Cinéma et la mise en scène. 2o Edition. Paris: Armand Colin, 2010.

AUSLANDER, Philip. Live and technologically mediated performance. In: Davis, T. (ed.), The Cambridge Companion to Performance Studies (Cambridge Companions to Literature, pp. 189-190). Cambridge: Cambridge University Press, 2008.

AUSLANDER, Philip. Digital Liveness: A Historico-Philosophical Perspective.PAJ 102, pp. 3–11, 2012.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 2012. p. 179-212. (Obras escolhidas, v. 1).

BORDWELL, David. Figures traced in light: on cinematic staging. Los Angeles: University of California Press, 2005.

BORDWELL, David & THOMPSON, Kristin. Film Art: An Introduction. New York : McGraw-Hill Education, 2016.

BOURDON, Jérôme. Live television is still alive: On television as na unfulfilled promise. Media Cultura &Society, v. 22, 531- 556, 2000.

CARDOSO FILHO, Jorge; GUTMANN, Juliana Freire. Performances como expressões da experiência estética: modos de apreensão e mecanismos operativos. Intexto, Porto Alegre, n. 47, p. 104-120, 2019.

CARLÓN, Mario. Sobre lo televisivo: dispositivos, discursos y sujeitos. Buenos Aires: la Crujía, 2004.

COULDRY, Nick. Liveness, 'reality', and the mediated habitus from television to the mobile phone. Communication Review, v. 7, n. 4, p. 353-361, 2004.

ECO, Umberto. Para uma investigação semiológica sobre a mensagem televisional. In: ECO, Umberto. Apocalípticos e integrados. Trad. Pérola de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 1979. p. 365-386.

FECHINE, Yvana. Televisão e Presença: uma abordagem semiótica da transmissão direta. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2008.

FRITH, Simon. Performing Rites: On the Value of Popular Music. Cambridge/Massachusetts: Harvard University Press, 1996.

GUTMANN, Juliana Freire. Audiovisual em rede: derivas conceituais. Belo Horizonte: Fafich/Selo PPGCOM/UFMG, 2021. (Ensaios; v. 1). 104p.

GUTMANN, Juliana Freire. Formas do Telejornal: linguagem televisiva, jornalismo e mediações culturais. Salvador: Edufba, 2014. 346p

HOLT, Fabian. The economy of live music in the digital age. European Journal of Cultural Studies,v.13, n. 2, p. 243–261, 2010. DOI: 10.1177/1367549409352277

LYOTARD, Jean-François.The Unconscious as Mise-en-scène. In: JONES, Graham; WOODWARD, Ashley. Acinemas: Lyotard'sPhilosophyofFilm. 2017

MACHADO, Arlindo. A televisão levada a sério. Editora SENAC, 2000.

PEREIRA DE SÁ, Simone; Holzbach, Ariane. #u2youtube e a performance mediada por computador. Galáxia, v. 10, p. 146-160, 2010.

SCHECHNER, Richard. Performance Studies: an Introduction. New York &Londres: Routledge, 2006.

TAYLOR, Diana. O Arquivo e o Repertório: Performance e Memória Cultural nas Américas. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.

VAN DIJCK, José. Culture of Connectivity: A Critical History of Social Media. Oxford: Oxford University Press. 2013.

Downloads

Publicado

2022-06-21

Como Citar

Freire Gutmann, J., & Dalla Vecchia, L. (2022). Lives Musicais em Performance: Mise-en-scène e encenações audiovisuais do “ao vivo” em Billie Eilish . Revista Eco-Pós, 25(1), 274–300. https://doi.org/10.29146/ecops.v25i1.27855