Estudos Quare e Crítica Queer of Color

lentes interseccionais para os estudos publicitários

Autores

  • Francisco Leite ECA/USP

DOI:

https://doi.org/10.29146/eco-ps.v25i3.27787

Palavras-chave:

Estudos Quare, Crítica Queer of Color, Interseccionalidade, Publicidade

Resumo

O objetivo deste trabalho é fomentar uma discussão sobre o potencial que o aporte dos estudos quare e da crítica queer of color pode ofertar para apoiar as pesquisas em publicidade que buscam assegurar e desenvolver em seus processos e estratégias analíticas as perspectivas interseccionais de raça, gênero, sexualidades, entre outros marcadores sociais. Dessa forma, direcionada por uma pesquisa bibliográfica, este texto apresenta e salienta algumas noções conceituais dos principais preceitos dessas abordagens teóricas, que se colocam como intervenções críticas ao movimento e as produções acadêmicas queer tradicionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Leite, ECA/USP

Doutor  em  Ciências  da  Comunicação  pela  ECA-USP,  com  estágio  de  doutoramento  PDSE/CAPES  na  Universidade de Trento e na Universidade de Bolonha (Itália). Pós-doutorado em Comunicação e Consumos na USP, com bolsa FAPESP (2019-2021). É pesquisador vice-líder do grupo de pesquisa ArC2 - Estudos Antirracistas  em  Comunicação  e  Consumos  ECA-USP/CNPq.  Autor  de  “Publicidade  contraintuitiva: inovação no uso de estereótipos na comunicação” (2014), coorganizador e autor de “Publicidade Antirracista: reflexões, caminhos e desafios” (2019), obra finalista do prêmio Jabuti 2020. E-mail: leitefco@gmail.com

Referências

ADAMS, T.; JONES, S. Queer Studies. In MATTHES, J.; DAVIS, C.; POTTER, R. The International Encyclopedia of Communication Research Methods, 2017.

ADJEPONG, A. Invading ethnography: a queer of color reflexive practice. Ethnography, 1–20, 2017.

ALEXANDER, B. Queer/Quare Theory: Worldmaking and Methodologies. In. DENZIN, N.; LINCOLN, Y. S. (eds.). The SAGE Handbook of Qualitative Research. Fifth Edition. California: Sage, 2018.

ANZALDÚA, G. To(o) Queer the Writer: Loca, escrita y chicana. In. WARLAND, B. (ed.) Inversions: Writing by Dykes and Lesbians. Vancouver: Press Gang, 1991.

ANZALDÚA, G. (ed.). Making Face, Making Soul/Haciendo Caras: Creative and Critical Perspectives by Feminists of Color. California: Aunt Lute Books, 1990.

ANZALDÚA, G. Borderlands/La Frontera: The New Mestiza. San Francisco: Aunt Lute Books, 1987.

ARAN, M. Os destinos da diferença sexual na cultura contemporânea. Rev. Estud. Fem., v. 11, n. 2, 2003, p.399-422.

BENTO, B. Queer o quê? Ativismo e estudos transviados. Revista CULT. Dossiê: Teoria Queer: o gênero sexual em discussão. Ed. 193. Ano 17, 2014.

BOE, J.; JORDAN, L. A look back to move forward: Expanding queer potentiality in family science. Journal of Critical Thought and Praxis, v. 8, n. 2, 2019, p. 1-12.

BRANCHIK, B. Queer Ads: Gay Male Imagery in American Advertising, Consumption Markets & Culture, v. 10, n. 2, 2007, p. 147-158.

BROCKENBROUGH, E. Queer of Color Agency in Educational Contexts: Analytic Frameworks From a Queer of Color Critique, Educational Studies, v. 51, n. 1, 2015.

BURNS, K. Gay and Lesbian Families. MI/USA, Thompson, 2005.

BUTLER, J. Gender trouble: Feminism and the subversion of identity. New York: Routledge, 1990.

BUTLER, J. Bodies that matter: On the discursive limits of “sex”. New York: Routledge, 1993.

BUTLER, J. Corpos que importam: os limites discursivos do “sexo”. [e-book]. São Paulo: Crocodilo edições: N-1edições, 2019.

CAMPBELL, J.; CARILLI, T. (Ed.). Queer Media Images: LGBT Perspectives. United Kingdon: Lexington Books, 2013.

COELHO, V.; IRIBURE, A, Todas as Maneiras de Ser Homem: Análise das Representações e Engajamentos da Campanha Natura de Dia dos Pais. Anais 43º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – VIRTUAL – 1º a 10/12/2020.

COLLING, L. et. al. Um panorama dos estudos sobre mídia, sexualidades e gêneros não normativos. Gênero. Niterói, v. 12, n. 2, p. 77-108, 2012.

COLLINS, J.; TABORDA-WHITT, C. Editorial - Disrupting human resource development to see, hear, and value queer people of color: A call to action. New Horizons in Adult Education & Human Resource Development 29(1), 1-4, 2017.

COLLINS, P. Se perdeu na tradução? Feminismo negro, interseccionalidade e política emancipatória. Parágrafo, v. 5, v. 1, p. 6-17, 2017.

CRENSHAW, K. Demarginalizing the intersection of race and sex: A black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory, and antiracist politics. University of Chicago Legal Forum, p. 139–167, 1989.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002.

COMCIÊNCIA. Entrevista. Judith Butler: ‘Boa parte de teoria queer foi dirigida contra o policiamento da identidade’. Dossiê 185. Dossiê Gênero, 2017. Disponível em: http://www.comciencia.br/entrevista-com-judith-butler/. Acesso: 15. mai. 2022.

CÔRREA, L. Intersectionality: A challenge for cultural studies in the 2020s. International Journal of Cultural Studies, p. 1–10, 2020.

DOTY, A. Making things perfectly queer: interpreting mass culture. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1997 [1993].

FERGUSON, R. Aberrations in Black: Toward a Queer of Color Critique. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2004.

FILHO, R. Madame Satã e o artifício como construção estética de novas formas de vida. BAGOAS, n. 18, 2018, p. 249-279.

FOUCAULT, M. The history of sexuality. New York: Vintage, 1978.

FRY, P. Estética e política: relações entre “raça”, publicidade e produção da beleza no Brasil. In: GOLDENBERG, M. Nu & Vestido: dez antropólogos revelam a cultura do corpo carioca. Rio de Janeiro: Record, 2002.

GIBSON-GRAHAM, J. Queer(y)ing Capitalism in and out of the Classroom. Journal of Geography in Higher Education, v. 23, n. 1, 1999, pp. 80-85.

GOPINATH, G. Impossible Desires: Queer Diasporas and South Asian Public Cultures. Durham: Duke University Press, 2005.

HALL, S. The meaning of new times. In: HALL, S.; JACQUES, M. (Eds.), New times: The changing face of politics in the 1990s. London: Verso, 1990, pp. 116-134.

HENDERSON, Lisa. Queer Communication Studies, Annals of the International Communication Association, v. 24, n. 1, p. 465-484, 2001.

IRIBURE, A. As representações das homossexualidades na publicidade e propaganda veiculadas na televisão brasileira: um olhar contemporâneo das últimas três décadas. 2008. 309f. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação) – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

JOHNSON, E. P.; RIVERA-SERVERA, R. H. (Eds.). Blacktino Queer Performance. Durham: Duke University Press, 2016.

JOHNSON, D. D. Review: Black Queer Identity Matrix: Towards an Integrated Queer of Color Framework. QED: A Journal in GLBTQ Worldmaking, Vol. 2, No. 2, pp. 230-233, 2015.

JOHNSON, E. P. ‘Quare’ Studies or (Almost) Everything I Know about Queer Studies I Learned from My Grandmother. In: JOHNSON, E. P.; HENDERSON, M. G. (Eds.). Black Queer Studies: A Critical Anthology. Durham: Duke University Press, 2005. p. 124-157.

JOHNSON, E. ‘Quare’ Studies or (Almost) Everything I Know about Queer Studies I Learned from My Grandmother. Text and Performance Quarterly, v. 21, n. 1, 2001, p. 1-25.

KATES, S. Making the Ad Perfectly Queer: Marketing "Normality" to the Gay Men's Community? Joumal of Advertising, v. XXVIIl, n. 1, 1999.

LACY, S.; SIMON, T. The Economics and Regulation of United States Newspapers. Norwood: Ablex Pub. 1993.

LAURETIS, T. Queer theory: Lesbian and gay sexualities. differences, v. 3, n. 2, p. iii–xvii, 1991.

LAZARIN, L.; IRIBURE, A. Um panorama dos estudos LGBT nos Programas de Pós-Graduação em Comunicação Social no Brasil: um olhar sobre a área de publicidade e propaganda. Pró-Pesq PP: Anais. 2016.

LAZARIN, L.; IRIBURE, A. Um levantamento dos estudos das homossexualidades nos programas de pós-graduação em Comunicação Social. Conexão. v. 13, n. 26, p. 207-226, 2014.

LEE, W. Kuaering Queer Theory, Journal of Homosexuality, v. 45, n. 2-4, p. 147-170, 2003.

LEITE, F. Representações LGBTQIA+ em Estudos Publicitários: um olhar sobre a produção científica brasileira do Intercom, Compós e Pró-Pesq PP de 2000 a 2020. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação. 2022, no prelo.

LEITE, F. Pode a publicidade ser antirracista? Contemporânea - Revista de Comunicação e Cultura, v. 19, n. 3, 2021.

LEITE, F. As brasileiras e a publicidade contraintuitiva: enfrentamento do racismo pela midiatização da imagem de mulheres negras. São Paulo: Alameda/FAPESP, 2018.

LEITE, F. Publicidade contraintuitiva: inovação no uso de estereótipos na comunicação. Curitiba: Appris, 2014.

LEITE, F. A informação com o suporte para a publicidade contra-intuitiva. Animus - revista interamericana de comunicação midiática, v. 6, n. 2, julho-dez 2007.

LOURO, G. Teoria Queer: Uma Política Pós-Identitária para a Educação. In: Revista Estudos Feministas, v. 9 n. 2, 2001, pp. 541-553.

LORDE, A. The Marvelous Arithmetics of Distance. New York: W.W. Norton & Co., 1994.

MANALANSAN, M. Messing up sex: The promises and possibilities of queer of color critique. Sexualities, p. 1–4, 2018.

MISKOLCI, R. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. 3ed. Belo Horizonte: Autêntica Ed.: UFOP, 2017.

MORAGA, C.; ANZALDÚA, G. (Eds.). This Bridge Called My Back: Writings by Radical Women of Color. New York: Kitchen Table, 1983.

MORAIS. F. Analítica Quare: como ler o humano. Salvador: Devires, 2020.

MORAIS, F. et. al. De Queer a Quare: uma aposta interseccional entre gênero, raça, etnia e classe. Itinerários, n. 48, p. 61-76, jan./jun. 2019.

MOZDZENSKI, L. Outvertising – a publicidade fora do armário: retóricas do consumo LGBT e retóricas da publicidade lacração na contemporaneidade. 2019. 308f. Tese (Doutorado em Comunicação) – Centro de Artes e Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2019.

MUÑOZ, J. E. Disidentifications: Queers of color and the performance of politics. Minneapolis, MN: University of Minnesota Press, 1999.

OAKENFULL, G.; GREENLEE, T. Queer eye for a gay guy: Using market-specific symbols in advertising to attract gay consumers without alienating the mainstream. Psychology & Marketing, v. 22, 2005, p. 421-439.

OSWALD, R.; KUVALANKA, K.; BLUME, L.; BERKOWITZ, D. Queering “the family.” In: LLOYD, S.; FEW, A.; ALLEN, K. (Eds.), Handbook of feminist family studies, Thousand Oaks, CA: Sage, 2009, p. 43–55.

OSWALD, R.; BLUME, L.; MARKS, S. Decentering heteronormativity: A model for family studies. In V. Bengtson, A. Acock, K. Allen, P. Dilworth-Anderson, & D. Klein (Eds.), Sourcebook of family theory and Research, Thousand Oaks, CA: Sage. 2005, pp. 143–165.

PEELE, T. Queer Popular Culture: literature, media, film, and television. New York: Palgrave Macmillan, 2011.

PEREIRA, M. E. Psicologia social dos estereótipos. São Paulo: EPU, 2002.

PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. Queer nos trópicos. Contemporânea, v. 2, n. 2 p. 371-394, 2012.

PRECIADO, P. Pornotopia: an Essay on Playboy’s Architecture and Biopolitics. New York: Zone Books, 2014.

REA, C.; AMANCIO, I. Descolonizar a sexualidade: Teoria Queer of Colour e trânsitos para o Sul. Cadernos Pagu. Ed. 53, p. 1-38, 2018.

REA, C. Pensamento Lésbico e Formação da Crítica Queer of Color. Cadernos de Gênero e Diversidade. v. 4, n. 2, 2018b, p. 117-133.

REDDY C. Freedom with Violence: Race, Sexuality, and the US State. Durham, NC: Duke Univ. Press, 2011.

REVISTA CULT. Dossiê: Teoria Queer: o gênero sexual em discussão. Ed. 193. Ano 17, 2014.

RUBERG, B. The queer games avant-garde: how LBGTQ game makers are reimagining the medium of videogames. Durham: Duke University Press, 2020.

SAFATLE, V. Posfácio. Dos problemas de gênero a uma teoria da despossessão necessária: ética, política e reconhecimento em Judith Butler. In. BUTLER, J. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Tradução: Rogério Bettoni.1. ed. [E-book]. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

SANTOS, A. Estudos queer: Identidades, contextos e acção colectiva, Rev. Crítica de Ciências Sociais, n. 76, 2006.

SEARS, A. “Queer Anti-Capitalism: What’s Left of Lesbian and Gay Liberation?”. Science & Society, v. 69, n. 1, 2005, pp. 92–112.

SEDGWICK, E. Between men: English literature and male homosocial desire. New York: Columbia University Press, 1985.

SEDGWICK, E. Epistemology of the closet. Berkeley, CA: University of California Press, 1990.

SEIDMAN, S. Queer theory/Sociology. Cambridge, MA: Blackwell, 1996.

SCHERER, A.; PETERMANN, J. O estado da arte dos estudos sobre publicidade e representação LGBT+ nos Programas de Pós-Graduação. Anais, Intercom Sul, 2019.

SMITH, L. T. Decolonizing methodologies: Research and indigenous peoples. New York: St. Martin’s Press, 1999.

SOMERVILLE, S. B. Queering the Color Line: Race and the Invention of Homosexuality in America. Durham, NC: Duke University Press, 2000.

STERN, B. "Feminist Literary Criticism and the Deconatruction of Ada: A Postmodern View of Advertising and Consumer Responses," J. Consumer Research, 19, 1993, p. 556-566.

TOMAZETTI. T. Genealogias dissidentes: os estudos de gênero nas Teses e Dissertações em Comunicação do Brasil (1972 – 2015). Tese (Doutorado). Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação. UFGRS. Porto Alegre, 2019.

TRINDADE, E., PERUZZO, A., e PEREZ, C.. Tendências das pesquisas sobre gênero e sexualidade na publicidade e consumo em revistas científicas da comunicação Qualis A2 entre 2006 a 2018 no Brasil. In. FILHO, C. T. (Org.). Reflexões sobre comunicação e diversidade sexual e de gênero. Londrina: Syntagma Editores, 2018.

TRINDADE, E. Um olhar exploratório sobre o consumo e a midiatização das marcas de alimentos nas vidas de algumas famílias. Matrizes, v. 6, n. 1-2, 2012, p. 77-96.

VAN CUILENBURG, J. On competition, access and diversity in media, old and new: Some remarks for communications policy in the information age. New Media & Society, v. 1, n. 2, 1999, p. 183-200.

Downloads

Publicado

2022-12-18

Como Citar

Leite, F. (2022). Estudos Quare e Crítica Queer of Color: lentes interseccionais para os estudos publicitários. Revista Eco-Pós, 25(3), 385–412. https://doi.org/10.29146/eco-ps.v25i3.27787