“Cais do Corpo”: o poder de imagens e vozes dissonantes na ressignificação da prostituição

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29146/ecopos.v24i3.27756

Palavras-chave:

Precariedade, Prostituição, Ressignificação, Imagem, Voz

Resumo

Este artigo se apoia no trabalho audiovisual da artista brasileira Virgínia de Medeiros intitulado “Cais do Corpo” para abordar o tema da precarização das vidas e pensar em possibilidades de resistência a esse processo. O vídeo expõe os efeitos violentos e excludentes do processo de “revitalização” da Praça Mauá, no Rio de Janeiro, debruçando-se sobre as experiências de prostitutas que vivem e trabalham nessa região. A partir dele e de ideias trazidas por autores contemporâneos, o trabalho pretende, em primeiro lugar, desenvolver uma discussão crítica sobre a sociedade atual, especialmente a brasileira, com suas técnicas de silenciamento e de eliminação de populações consideradas não humanas. Em segundo lugar, defender que o trabalho artístico, ao apostar na potência de imagens e vozes dos próprios sujeitos subalternizados, configura-se hoje como um espaço importante para a ressignificação de identidades socialmente colocadas no lugar da abjeção e da exclusão, como a das prostitutas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Pombo, UFRRJ

É professora adjunta da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Cursou, na UFRJ, graduação em Psicologia (IP) e em Comunicação Social (ECO), mestrado em Comunicação e Cultura (PPGCOM) e doutorado em Teoria Psicanalítica (PPGTP).

Referências

ARANTES, Otília. Entrevista com Otília Beatriz Fiori Arantes. Rapsódia – almanaque de filosofia e arte, n. 2, 2002, p. 221-264.

AUGUSTO, Daniel (Diretor). Incertezas críticas (Documentário). São Paulo: Canal Curta, 2015. Disponível em: https://canalcurta.tv.br/filme/?name=georges_didihuberman. Acesso em jul. 2021.

BATAILLE, Georges. “L’abjection et les formes misérables”. In: Oeuvres Complètes, vol 2. Paris: Gallimard, 1970.

__________. “O objeto de desejo: a prostituição”. In: O erotismo. Rio de Janeiro: Zahar, 1987, p. 85-91.

BAUMAN, Zygmunt. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BENTO, Berenice. Necrobiopoder: quem pode habitar o Estado-nação? Cadernos Pagu, v. 53, n. 1, 2018, p. 1-16.

BIRMAN, Joel. Nada do que é humano me é estranho. In: Cartografias do feminino. São Paulo: Ed. 34, 1999, p. 133-176.

__________. Gramáticas do erotismo: a feminilidade e suas formas de subjetivação em psicanálise. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

__________. Subjetivações, periculosidade e insegurança social na contemporaneidade. In: MALAGUTI, Vera (org.). A violência na berlinda. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2014, p. 63-82.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade (1990). Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2013.

__________. Corpos que importam: os limites discursivos do “sexo” (1993). São Paulo: N-1 Edições, 2019.

__________. Vida precaria: el poder del duelo y la violencia (2004a). Buenos Aires: Paidós, 2006.

__________. Deshacer el género (2004b). Barcelona: Paidós, 2012.

__________. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? (2009a). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

__________. Performatividad, precariedad y políticas sexuales. Revista de Antropología Iberoamericana, v. 4, n. 3, 2009b, p. 321-336.

CAVALCANTI, Céu; BARBOSA, Roberta; BICALHO, Pedro Paulo. Os tentáculos da Tarântula: abjeção e necropolítica em operações policiais a travestis no Brasil pós-redemocratização. Psicologia: ciência e profissão, v. 38, n. especial 2, 2018, p. 175-191.

CESAR, Marisa Flórido. Nas encruzilhadas da cidade e da arte. Diário do Nordeste, 30 jan. 2011, p. 1-3.

__________. A imagem da humanidade. In: Nós, o outro, o distante na arte contemporânea brasileira. Rio de Janeiro: Editora Circuito, 2014, p. 231-264.

FERREIRA, Hércules. Onde a memória disputa: filosofia, patrimônio, prostituição. Dissertação (Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural) ¬¬– Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, 2019.

GONDAR, Jô. Ferenczi como pensador político. Cadernos de Psicanálise, v. 34, n. 27, 2012, p. 193-210.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

KRISTEVA, Julia. Powers of horror: an essay on abjection. New York: Columbia UP, 1982.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud (1992). Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

MACHADO, Gisele. A difusão do pensamento higienista na cidade do Rio de Janeiro e suas consequências espaciais. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, 2011, p. 1-19.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. São Paulo : N-1 Edições, 2018.

MEDEIROS, Virgínia (Diretora). Cais do corpo (Vídeo-instalação). Rio de Janeiro: Projeto Visualismo, Arte, Tecnologia e Cidade, 2015. Disponível em: https://vimeo.com/312489744. Acesso em ago. 2021.

__________. Hic et Nunc – Virgínia de Medeiros. Canal do YouTube MuBE, 2021. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=iYiIE1LtTIc. Acesso em 25 nov. 2021.

MENEZES, Lená. Entre denúncias e propostas: o tráfico de brancas e os bastidores migratórios em obras de época. História (São Paulo), v. 36, 2017, p. 1-23.

MOIRA, Amara. E se eu fosse puta. São Paulo: Hoo Editora, 2018.

MOMBAÇA, Jota. A plantação cognitiva. MASP Afterall, n. 9, p. 1-12.

MORAIS, Aparecida; MATTOS, Mariana. Prostituição e feminismo: controvérsias, tensões e aproximações a partir do jornal Beijo da Rua. In: MORAIS, Aparecida; ARAUJO, Anna Bárbara; GAMA, Maria Clara (Orgs.). Diálogos feministas: gerações, identidades, trabalho e direitos. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2020, p. 61-80.

PORCHAT, Patricia. Um corpo para Judith Butler. Revista Periódicus, v. 1, n. 3, 2015, p. 37-51.

RAPOSO, Sérgio (Diretor). 5o Prêmio Marcantonio Vilaça – Virgínia de Medeiros (Vídeo). Rio de Janeiro: SESI, 2016. Disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/sesi/canais/premio-marcantonio-vilaca-home/5-edicao-20152016/. Acesso em ago. 2021.

RETTO JR., Adalberto. Entrevista com Otília Arantes. Vitruvius, ano 14, out. 2013, p. 1-8.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SILVA, Claudielle. “Flores horizontais”: sociabilidade, prostituição e travestilidade na Zona do Mangue (1960-1970). Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

SILVA, Mariah Rafaela. Antropofagia virtual: processos de midiatização e práticas de insurgência corpo-identitárias no Brasil. Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, v. 3, n. 12, 2020, p. 158-185.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Cavalcanti, M., Pombo, M., Legey, M., Cabral, N., & Villar, Z. (2021). “Cais do Corpo”: o poder de imagens e vozes dissonantes na ressignificação da prostituição. Revista Eco-Pós, 24(3), 98–123. https://doi.org/10.29146/ecopos.v24i3.27756