Lógica Dromocrática do Êxtase Paranoico

Estratégia neofascista, comunismo imaginário e estado de exceção no Brasil

Autores

  • Eugênio Trivinho Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP

DOI:

https://doi.org/10.29146/ecops.v25i1.27727

Palavras-chave:

Lógica dromocrática, Êxtase paranoico, Comunismo imaginário, Estado de exceção

Resumo

O artigo aborda o delírio político do comunismo imaginário como estratégia neofascista no Brasil. Resultado de investigação engajada, o texto caracteriza, com argumentação politizada, esse êxtase paranoico típico da necropolítica bolsonarista, desde seu lastro histórico até sua autoblindagem plutocrática e aporofóbica, com apropriação das massas pobres como jazida legitimatória. Tais aspectos ambientam a apreensão da lógica dromocrática em jogo – da mimese perversa da estratégia occupy à política do golpe permanente, a partir da colonização neoliberal do Estado para arruiná-lo a partir de dentro, mediante privatizações indiscriminadas e desmantelamento de políticas públicas de redução de danos sociais. O arco desse traçado, que implica a função estrutural das fake news, revela a incompetência ostensiva da necropolítica bolsonarista como forma mediático-dissuasiva de governança, à sombra paradoxal de uma dromocracia extática, fundada numa velocidade clandestina e destrutiva. O artigo conclui que, no estirão da guerra cultural em curso, o delírio paranoico do comunismo imaginário corresponde a um estado de emergência que torna a população refém de um estado de exceção generalizado, necessário à perpetuação do bolsonarismo no aparelho de Estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eugênio Trivinho, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP

Professor do Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PEPGCOS/PUC-SP). Doutor em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), é Pesquisador do CNPq (Bolsa de Produtividade) e Coordenador Geral do CENCIB - Centro Interdisciplinar de Pesquisas em Comunicação e Cibercultura da PUC-SP.

Referências

ANDERS, Günter. Die Antiquiertheit des Menschen: über die Seele im Zeitalter der zweiten industriellen Revolution. 7. ed. Munique: Beck, v. 1, 1994.

ANDERS, Günter. Die Antiquiertheit des Menschen: über die Zerstörung des Lebens im Zeitalter der dritten industriellen Revolution. 4. ed. Munique: Beck, 1995.

BAUDELAIRE, Charles. Paraísos artificiais: o ópio e o poema do haxixe. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2007.

BAUDRILLARD, Jean. L’échange symbolique et la mort. Paris: Gallimard, 1976.

BAUDRILLARD, Jean. Le P.C. ou les paradis artificiels du politique. Fontenay-sous-Bois: Cahiers d’Utopie, 1978.

BAUDRILLARD, Jean. Simulacres et simulations. Paris: Galilée, 1981.

BAUDRILLARD, Jean. Les stratégies fatales. Paris: B. Grasset, 1983.

BAUDRILLARD, Jean. L’autre par lui même. Paris: Galilée, 1987.

BAUDRILLARD, Jean. Asphyxie de la communication. Comunicação&política. São Paulo, Oito de Março, v. 9, n. 2, 3 e 4, p. 109-114, jun./dez. 1989.

CANETTI, Elias. Massa e poder. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CERVANTES, Miguel de. Don Quijote de la Mancha. Madrid: Real Academia Española; Alfaguara, 2004 (Edición del IV centenário / Associación de Academias de la Lengua Española).

LACAN, Jacques. De las psicosis paranoica en sus relaciones con la personalidade. 4. ed. Coyoacán: Siglo Veintiuno, 1985.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 16: de um outro ao outro. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

MARTINS, Cristiano Zanin; MARTINS, Valeska Teixeira Zanin;VALIM, Rafael. Lawfare: uma introdução. São Paulo: Contracorrente, 2019.

MARX, Karl. O 18 de Brumário de Luís Bonaparte. Lisboa: Estampa, 1976.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Tradução de Marta Lança. Lisboa: Antígona, 2014.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: Biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Tradução de Renata Santini. Rio de Janeiro: n.1, 2018.

MOLIÈRE. Le malade imaginarie. Paris: CreateSpace, 2016.

ROTTERDAM, Erasme de. Éloge da la folie. Paris: Librairie de Bibliophile, 1876. (Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k64866521/f10.item#. Acesso em: 18 jun. 2021).

TRIVINHO, Eugênio. A dromocracia cibercultural: lógica da vida humana na civilização mediática avançada. São Paulo: Paulus, 2007. (Coleção Comunicação).

TRIVINHO, Eugênio. A explosão do cibermundo: velocidade, comunicação e (trans)política na civilização tecnológica atual. São Paulo: Annablume; FAPESP, 2016.

TRIVINHO, Eugênio. A cauda longa da grande peste: resposta à necropolítica neofascista: comunicação, política e ética em tempos de ameaças espalhadas. A Terra é Redonda, 07 abr. 2020. Disponível em: https://aterraeredonda.com.br/cauda-longa-da-grande-peste/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=cauda-longa-da-grande-peste. Acesso em: 29 abr. 2021.

VIRILIO, Paul. Vitesse et politique. Paris: Galilée, 1977.

VIRILIO, Paul. La vitesse de libération. Paris: Galilée, 1995.

ŽIŽEK, Slavoj. Bem-vindo ao deserto do real! Tradução de Paulo Cezar Castanheira. São Paulo: Boitempo, 2003. (Coleção Estado de Sítio).

ŽIŽEK, Slavoj. A visão em paralaxe. Tradução de Maria Beatriz Medina. São Paulo: Boitempo, 2008.

Downloads

Publicado

2022-06-21

Como Citar

Trivinho, E. (2022). Lógica Dromocrática do Êxtase Paranoico: Estratégia neofascista, comunismo imaginário e estado de exceção no Brasil. Revista Eco-Pós, 25(1), 361–385. https://doi.org/10.29146/ecops.v25i1.27727