Padrões de performance no Instagram na experiência de adolescentes goianos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29146/ecopos.v24i3.27666

Palavras-chave:

Padrões de performance, Adolescentes, Instagram

Resumo

Discutimos neste artigo resultados de uma pesquisa empírica com adolescentes de 15 a 17 anos, que abordam o uso social da internet em que usuários compartilham conteúdos sobre eles mesmos. Apresentamos aqui um recorte analítico voltado às percepções dos entrevistados sobre o estabelecimento de padrões de performance nas postagens em que há o compartilhamento de si, especialmente na plataforma Instagram. O objetivo é discutir quais são esses padrões e como eles são percebidos e estabelecidos, a partir da prática pessoal dos adolescentes. Para tanto, realizamos aproximações etnográficas, com entrevistas individuais em profundidade, discussões em grupo e observação participante. Os resultados indicam que na experiência de compartilhar-se, o que prevalece são as práticas de fazê-lo de modo idealizado, em termos de beleza, comportamento e renda. Os adolescentes reconhecem e questionam esses padrões, mas a maioria deles se abstém do engajamento direto nos circuitos de forma tão pessoal. 


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Júlia de Freitas Carrijo, Universidade Federal de Goiás

Mestranda em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCom) da Universidade Federal de Goiás (UFG), na linha de pesquisa Mídia e Cultura. Bolsista CAPES. E-mail: anajucarrijo@gmail.com

LARA LIMA SATLER, Universidade Federal de Goiás

Bolsista de Produtividade em Pesquisa (PQ-2), CNPq. Professora nos Programas de Pós-graduação em Comunicação e Performances Culturais (PPGCom/PPGPC), Universidade Federal de Goiás (UFG). E-mail: lara_lima_satler@ufg.br ORCID: http://orcid.org/0000-0002-2509-6278 Lattes: http://lattes.cnpq.br/7575445484262991

Referências

BRAGA, José Luiz. Nem rara, nem ausente – tentativa. Matrizes, Ano 4, n. 1, jul./dez., São Paulo, p. 65-81, 2010.

BRIGNOL, Liliane Dutra. Migrações transnacionais e usos sociais da internet: identidades e cidadania na diáspora latino-americana. 2010. Tese (doutorado em Ciências da Comunicação) – Programa de Pós-graduação em Ciências da Comunicação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, 2010.

COULDRY, Nick; MEJIAS, Ulises A. The costs of connection: how is data colonizing human life and appropriating it for capitalism. California: Stanford University Press, 2019.

DUARTE, Jorge. Entrevista em profundidade. In: DUARTE, Jorge.; BARROS, Antonio (org). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2010, p. 62-83.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina. Circuitos de cultura/circuitos de comunicação: um protocolo analítico de integração da produção e da recepção. Revista Comunicação, Mídia e Consumo ESPM, São Paulo, v. 4, n. 11, p. 115-135, nov., 2007.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed., Porto Alegre: Artmed, 2009.

GASKELL, George. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. 2. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2003, p. 64-89.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Tradução de Maria Célia Santos Raposo. 20 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.

GÓMEZ, Guillermo Orozco. O telespectador frente à televisão: uma exploração do processo de recepção televisiva. Communicare, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 27-42, 2005.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

LOPES, Maria Immacolata V. A teoria barberiana da comunicação. Matrizes, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 39-63, jan./abr., 2018.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: 3 introduções. Tradução por Fernanda Castilho e Maria Immacolata Vassalo Lopes. Matrizes, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 9-31, jan/abr, 2018.

_________________. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Tradução por Ronald Polito e Sérgio Alcides. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.

_________________. Oficio de cartógrafo: travesías latinoamericanas de la comunicación en la cultura. Tradução por Fidelina González e Renata Pallotini. Santiago de Chile: Fondo de Cultura Económica, 2004.

MARTÍN-BARBERO, Jesús; RINCÓN, Omar. Mapa insomne 2017: Ensayos sobre el sensorium contemporáneo. Un mapa para investigar la mutación cultural. In: JACKS, N.; SCHMITZ, D.; WOTTRICH, L. (orgs.). Un nuevo mapa para investigar la mutación cultural. Diálogo con la propuesta de Jesús Martín-Barbero. Quito, Ecuador: CIESPAL, 2019, p. 17-24.

PIENIZ, Mônica Bertholdo; CENCI, Márcio Paulo. Tecnicidades: de las mediaciones comunicativas de la cultura a las mutaciones culturales. In: JACKS, Nilda; SCHMITZ, Daniela; WOTTRICH, Laura (orgs.). Un nuevo mapa para investigar la mutación cultural. Diálogo con la propuesta de Jesús Martín-Barbero. Quito, Ecuador: CIESPAL, 2019, p. 137-160.

SCHECHNER, Richard. Performance Studies: an introduction. Nova Iorque: Routledge, 2002.

THOMPSON, John. A interação mediada na era digital. Matrizes, São Paulo, v. 12, n. 3, set./dez., p. 17-44, 2018.

________________. A mídia e a modernidade. Tradução de Wagner de Oliveira Brandão. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Carrijo, A. J. de F., & SATLER, L. L. (2021). Padrões de performance no Instagram na experiência de adolescentes goianos. Revista Eco-Pós, 24(3), 381–402. https://doi.org/10.29146/ecopos.v24i3.27666