A Mancha no cinema de horror brasileiro da década de 2010

Uma análise de Trabalhar Cansa, Mormaço e O Animal Cordial

Autores

  • Giancarlo Backes Couto Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS
  • Carlos Gerbase Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS.

DOI:

https://doi.org/10.29146/ecopos.v24i3.27636

Palavras-chave:

Cinema de Horror, Cinema Brasileiro, Mancha, Década de 2010

Resumo

Este artigo busca destacar como o simbolismo da Mancha aparece em diversas obras cinematográficas brasileiras de horror lançadas na última década. O conceito de Mancha utilizado aqui remete às noções de pecado tabu lançadas por Ricoeur (1960) e que tiveram suma importância na história da ética cristã ocidental (Vidal, 1978). Primeiramente, o texto busca, retraçar alguns momentos históricos nos quais a Mancha teve papel fundamental na constituição do ethos cristão, para, posteriormente, analisar como esse simbolismo aparece nas cenas dos filmes analisados, sendo eles: Trabalhar Cansa (2011), O Animal Cordial (2017), O Som ao Redor (2012), O Nó do Diabo (2016), Ninjas (2010) e Morto Não Fala (2018). Percebemos que tais obras se utilizam do simbolismo da Mancha para discutir questões sociais e temáticas fundamentais para a construção desigual do país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giancarlo Backes Couto, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS

Doutorando em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS, na linha de pesquisa Cultura e Tecnologias das imagens e dos imaginários. Graduado em Filosofia, pela Universidade Federal de Pelotas.

Carlos Gerbase, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS.

Doutor em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS. Pós-doutor em Cinema pela Universidade Sorbonne Nouvelle - Paris 3. Integrante do programa de Pós-graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Referências

ARAÚJO, Danielle Regina Wobeto de. Um “cartório de feiticeiras”: direito e feitiçaria na vila de curitiba (1750-1777). 2016, 297 p. Tese (Doutorado em Direito) – Setor de Ciências Jurídicas da Universidade Federal do Paraná.

AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. 2. ed. Brasília, DF: Edições Câmara, 2019.

BARCINSKI, André; FINOTTI, Ivan. Zé do Caixão: Maldito – a biografia. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Darkside Books, 2015.

BEGUÉ, Marie-France. La Simbólica del mal de Paul Ricoeur comentada. In: TEOLITERARIA - Revista de Literaturas e Teologias, v. 2, n. 3, 2012, pp. 17-38. Disponível em <http://ken.pucsp.br/teoliteraria/article/view/22934>. Acesso em: 02 set. 2020.

BÍBLIA. Antigo e novo testamento. 31. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

BILDHAUER, Bettina. Medieval blood. 1. ed. Cardiff, UK: University of Wales Press, 2006.

CÁNEPA, Laura Loguercio. Medo de quê? Uma história do horror nos filmes brasileiros. 2008, 498 p. Tese (Doutorado em Multimeios) – Instituto de Artes da UNICAMP.

CHALHOUB, Sidney. Cidade febril: cortiços e epidemias na corte imperial. 2. ed. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2017.

CLARK, Stuart. Pensando com demônios: a ideia de bruxaria no princípio da europa moderna. 1. ed. São Paulo, SP: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

ELIADE, Mircea. Imagens e símbolos: ensaio sobre o simbolismo mágico-religioso. 1. ed. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1991.

_______, Mircea. Tratado da história das religiões. 1. ed. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1993.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 27. ed. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2014.

LIMA, Rafael Garcez. O terror no cinema brasileiro contemporâneo: uma abordagem monadológica de Trabalhar Cansa e Mangue Negro. 2019, 148 p. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

RICOEUR, Paul. Le symbole donne à penser. Esprit Nouvelle série, nº. 275, juillet-août, 1959, pp. 60-76. Disponível em: <https://www.jstor.org/stable/24254991>. Acesso em: 02 set. 2020.

_______. Finitude et culpabilité 2: la symbolique du mal. 1. ed. Paris, FR: Éditions Montaigne, 1960.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Sobre o autoritarismo brasileiro. 1. ed. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2019.

SOUTO, Mariana. O que teme a classe média brasileira? Trabalhar Cansa e o horror no cinema brasileiro contemporâneo. In: Revista Contracampo, nº 25, 2012, pp. 43-60. Disponível em: <https://periodicos.uff.br/contracampo/article/view/17270>. Acesso em 13 mar. 2021.

________. Infiltrados e Invasores: Uma perspectiva comparada sobre as relações de classe no cinema brasileiro contemporâneo. 2016, 208 p. Tese (Doutorado em Comunicação Social – Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais.

VIDAL, Marciano. Moral de atitudes: moral fundamental. 2. ed. Aparecida, SP: Santuário, 1978.

VIGARELLO, Georges. O limpo e o sujo: uma história da higiene corporal. 1. ed. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1996.

ŽIŽEK, Slavoj. Violência: seis reflexões laterais. 1. ed. São Paulo, SP: Boitempo, 2014.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Couto, G. B., & Gerbase, C. (2021). A Mancha no cinema de horror brasileiro da década de 2010: Uma análise de Trabalhar Cansa, Mormaço e O Animal Cordial. Revista Eco-Pós, 24(3), 454–483. https://doi.org/10.29146/ecopos.v24i3.27636