Mobilidade e violência no Rio de Janeiro: opapel das redes sociais digitais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29146/ecopos.v24i1.27624

Resumo

Considerando a cidade um território da violência, o artigo discute de que forma a fanpage Onde Tem Tiroteio (OTT-RJ) possibilita imaginar uma geografia do crime, elaborando uma representação cartográfica do espaço urbano carioca. O objetivo é explorar as tensões simbólicas em torno de um conjunto de interações nesta plataforma digital que mediam a experiência do Rio como uma espacialidade monitorada 24 horas por dia. Ao mesmo tempo em que esse controle virtual promoveria uma sensação de segurança, promoveria também a contenção social e simbólica que ocorre na cidade, alterando a mobilidade e a circulação dos moradores em certos lugares. Para testar essa hipótese, analisamos do ponto de vista discursivo um conjunto de comentários sobre como justificam sua forma de relação com a OTT-RJ e a cidade. O recorte, de uma pesquisa maior em andamento, contempla 50 comentários a 12 posts publicados no dia 16 de fevereiro de 2018, dia da Intervenção Federal Militar no Estado do Rio, a pretexto de conter a violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leticia Cantarela Matheus, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Uerj, doutora em Comunicação pela UFF.

Bianca Fernandes Antunes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UERJ (PPGCOM-UERJ)

Referências

DELEUZE, G.. Conversações. São Paulo: Ed. 34, 1992.

FERNANDES, C.S.; BARROSO, F.M.; BELART, V.. Cidade Ambulante: a climatologia da errância nos coletivos culturais do Rio de Janeiro. MEDIAÇÃO, Belo Horizonte. V. 22, n. 29, jul;dez, 2019, pp. 17-35. http://www.fumec.br/revistas/mediacao/article/view/7329

FRAGOSO, S; RECUERO, R; AMARAL, A. Métodos de pesquisa para Internet. Porto Alegre (RS): Sulina, 2011.

FREITAS, R.F.. Para além do Rio de Janeiro: a comunicação da arquitetura estrangeira da Barra da Tijuca. Contemporânea, ed 14, vol. 8. n. 1, 2010, pp. 132-140. DOI: https://doi.org/10.12957/contemporanea.2010.693

HABERMAS, J.. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

HAESBAERT, R.. Viver no limite. Território e multi/transterritorialidade em tempos de in-segurança e contenção. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

JACQUES, P.B.. Elogio aos errantes. SciELO-EDUFBA, 2012. https://www.jstor.org/stable/10.7476/9788523208707

LEMOS, A.. Cultura da Mobilidade. Revista FAMECOS, 16(40), 2009, pp. 28-35. DOI: https://doi.org/10.15448/1980-3729.2009.40.6314

LESZCZYNSKI, A.. “Spatialities”. In: ASH, J.; KITCHIN, R.; LESZCZYNSKI, A. (Org.). Digital Geographies. Los Angeles-London-New Delhi, Sage, 2019, pp. 19-23.

LUQUE-AYALA, A.. “Urban”. In: ASH, J.; KITCHIN, R.; LESZCZYNSKI, A. (Org.). Digital Geographies. Los Angeles-London-New Delhi, Sage, 2019, pp. 24-35.

MATHEUS, L.C.. Narrativas do medo: o jornalismo de sensações além do sensacionalismo. Rio de Janeiro: Mauad, 2011.

OLIVEIRA, A. L.; CASTRO, G. G. S.. Smart Cities: comunicação e consumo de um futuro prescrito no espaço urbano. INTERIN, v. 24, n. 1, jan./jun. 2019, p. 209-225. DOI: https://doi.org/10.35168/1980-5276.UTP.interin.2019.Vol24.N1.pp209-225

RANCIÈRE, J.. O princípio da insegurança. Folha de São Paulo, 21 de setembro de 2003. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs2109200303.htm

RECUERO, R.. Redes sociais na Internet. Porto Alegre (RS): Sulina, 2009.

SOUZA, L.S.. Fobópole. O medo generalizado e a militarização da questão urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

Matheus, L. C., & Antunes, B. F. (2021). Mobilidade e violência no Rio de Janeiro: opapel das redes sociais digitais. Revista Eco-Pós, 24(1), 282–303. https://doi.org/10.29146/ecopos.v24i1.27624

Edição

Seção

Perspectivas