“Você fez, agora aguenta”: Análise das narrativas de violência obstétrica no Facebook

Autores

  • Veronica Aparecida Ribeiro Haacke Universidade Federal do Espírito Santo
  • Fábio Luiz Malini de Lima Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.29146/eco-pos.v23i3.27616

Resumo

A internet possibilitou novas e diferentes trocas comunicacionais e relacionais entre os usuários, como também entre a produção e compartilhamento de conteúdo, sendo uma importante aliada dos movimentos sociais contemporâneos; entre esses movimentos, destaca-se o feminismo. Devido aos novos contornos que o movimento adquire na contemporaneidade, podemos demarcar que hoje experencia uma nova fase, denominada como Quarta Onda. Aliada ao uso intenso das redes, uma das principais pautas dessa onda é a discussão acerca da violência de gênero, que entre suas formas está a violência obstétrica. Ela ganha espaço de discussão nas redes; seja como maneira de agrupar mulheres vítimas – a partir do compartilhamento de seus relatos e experiências – ou como forma de conscientização a partir da divulgação de informações. Este artigo tem por objetivo compreender o conteúdo dos comentários presentes em páginas do Facebook que discutem acerca da violência obstétrica.

Palavras chave: Feminismo; Redes Sociais Digitais; Violência de Gênero; Violência Obstétrica; Relatos

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Veronica Aparecida Ribeiro Haacke, Universidade Federal do Espírito Santo

Mestranda do programa de pós graduação em Comunicação e Territorialidades pela Universidade Federal do Espírito Santo

Fábio Luiz Malini de Lima, Universidade Federal do Espírito Santo

Atualmente é professor Associado II no Departamento de Comunicação Social, da Universidade Federal do Espírito Santo, onde coordena o LABIC (Laboratório de Pesquisa sobre Imagem e Cultura). Atua na pesquisa aplicada no campo da ciência de dados, política e análises de redes sociais. É professor do quadro permanente do Programa em Pós-Graduação em Linguística e do Programa em Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades. É autor, em parceria com Henrique Antoun, do livro "A Internet e a Rua (2013).

Referências

AGUIAR, J.M. Violência institucional em maternidades públicas: hostilidade ao invés de acolhimento como uma questão de gênero. São Paulo, 2010

BANDEIRA, L. M. Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação. Sociedade e Estado, 2014

BOGADO, M. Rua. In: HOLLANDA, H. B. Explosão feminista: arte, cultura e universidade. [ebook]. São Paulo. Companhia das letras, 2018.

BUCHER, T. If… then: algorithmic Power and Politics. New York: Oxford University Preess, 2018

CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ. Organização dos Estados Americanos. Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher. Belém/PA (Brasil): Comissão Interamericana de Direitos Humanos, 1994.

COSTA, C. Rede. In: HOLLANDA, H. B. Explosão feminista: arte, cultura e universidade. [ebook]. São Paulo. Companhia das letras, 2018.

DIAS, M.M. Parâmetros na escolha de técnicas e ferramentas de mineração de dados. Acta Scintiarum. Maringá, v.24, n. 6. 2002

FREITAS, W. Plano de parto previne violência obstétrica. 2019. Disponível em: <https://www.ufpb.br/ufpb/contents/noticias/201cplano-de-parto-previne-violencia-obstetrica201d-alerta-pesquisadora-da-ufpb> Acesso em: 10 jan. 2020

LUZ, L.; GICO, V. As redes sociais digitais e a humanização do parto no contexto das Epistemologias do Sul. Revista Famecos, Porto Alegre, n.1, v.24. 2017

MINAYO, M.CS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2007

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Ofício nº 017/2019. 2019. Disponível em: Acesso em: 15 ago. 2019.

PARTO DO PRINCÍPIO. BRASIL. Governo Federal. Parirás Com Dor. Brasil, 2012.

SOUZA, D.S.; OLIVEIRA, T.C.F. "Na hora de fazer não gritou": A violência obstétrica nas mulheres parturientes. Universidade Católica do Salvador. Anais da 22º Semana da Mobilização Científica - SEMOC. 2019

SOUZA, V.L.P. “Violência de gênero/Intolerância”. In. COLLING, A.M.; TEDESCHI, L. A. (organizadores) Dicionário Crítico de Gênero. Dourados, MS : Ed. UFGD, 2015.

TELES, M.A.A.; MELO, M. O que é violência contra a mulher. [ebook]. São Paulo: Editora Brasiliense, 2017

VANZ, A. A.P. A violência obstétrica em (re)vista: uma análise discursiva. 2017. 143f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Programa de Pós-Graduação em Letras. Universidade Estadual do Centro-Oeste Unicentro, Guarapuava, 2017

VARIKAS, E. Pensar o sexo e o gênero. Campinas: Unicamp, p. 17-53, 2016.

VAN DIJCK, J.; POELL, T.; DE WAAL, M. The platform society: public values in a connective world. New York: Oxford University Preess, 2018

VENEZUELA. Ley Orgánica sobre el Derecho de las mujeres a uma vida libre de violência, 2007

Downloads

Publicado

2020-12-24

Como Citar

Haacke, V. A. R., & Malini de Lima, F. L. (2020). “Você fez, agora aguenta”: Análise das narrativas de violência obstétrica no Facebook. Revista Eco-Pós, 23(3), 210–238. https://doi.org/10.29146/eco-pos.v23i3.27616