Como é que é 'ver através' uma fotografia

Autores

  • Fernão Pessoa Ramos UNICAMP

DOI:

https://doi.org/10.29146/eco-pos.v23i3.27615

Resumo

A exposição do argumento de que as fotografias são transparentes, por Kendall Walton, está longe de ser simplória e envolve carga conceitual sofisticada, dentro do campo analítico-cognitivo. Mas podemos ir além disto. O fato da imagem-câmera fotográfica de ser transparente, conforme exposto por Kendall, não implica consequência sobre matéria do mundo ser manipulada, alterada ou fatiada. A transparência apenas indica que é ‘vendo através’ que percebemos o que nos é indicado. É deste patamar que emerge o campo da subjetividade que abriga o que chega de lá, pela transparência. É coisa própria do mundo, ser-aí que habitamos em nossa intuição ou percepção, ao interagirmos com outras coisas e seres. A conformação imagética da imagem-câmera interage sobre a radical indeterminação da presença na tomada, conforme ela transcorre grudada no fluxo da duração. A encenação na tomada, sua mise-em-scène, é um modo de ‘morar’ na indeterminação radical do acontecer que nos habita como existência. Ela, encenação, potencializa assim a exterioridade num ‘de-fora’, num aderir ao mundo que, neste modo, a conformação maquínica fotográfica/audiovisual inaugura. Encontra-se nesta imagem, uma espécie de recuo de mim no estar-aí do ser.

PALAVRAS CHAVE: Teoria da Fotografia, Imagem-Câmera, Tomada, Transparência, Cognitivismo, Fenomenologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernão Pessoa Ramos, UNICAMP

Professor Titular - Universidade Estadual de Campinas

(UNICAMP)

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é um dispositivo? Revista Outra Travessia, n. 5, p. 9-16, 2005.

BARTHES, Roland. A Camâra Clara: Nota Sobre a Fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

CARROLL, Noël. Towards an Ontology of the Moving Image. IN: FREELAND, Cynthia A.; WARTENBERG, Thomas E. (eds.): Philosophy and Film. London: Routledge, 1995. p. 68–85

__________ . Ficção, não-ficção e o cinema da asserção pressuposta: Uma análise conceitual. IN: RAMOS, Fernão P. Teoria Contemporânea do Cinema. Documentário e Narratividade Ficcional. vol. II. São Paulo: Ed. Senac, 2004. p. 69-104.

COMOLLI, Jean-Louis. Caméra, Perspective, Profondeur de Champ. Cahiers du Cinéma nº 229, nº 230, nº 231, nº 233, nº 234-235, nº 241, 1971-1972.

CURRIE, Gregory. Image and Mind: Film, philosophy and cognitive science. Cambridge: Cambridge University Press, 1995.

DERRIDA, Jacques. A Voz e o Fenômeno. São Paulo: Zahar, 1994.

DUBOIS, Philippe. O Ato Fotográfico. Campinas: Papirus, 1993.

FLUSSER, Vilém. Filosofia da Caixa Preta: Ensaios para uma futura filosofia da fotografia. São Paulo: Annablume, 2013.

FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas: Uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

MACHADO, Arlindo. A Ilusão Especular: Uma teoria da fotografia. São Paulo: Brasiliense, 1984.

OUDART, Jean-Pierre. La Suture. Cahiers du Cinéma nº 211/12, abril e maio, 1969.

SCRUTON, Roger. Photography and Representation. Critical Inquiry, v. 7, p. 577-603, primavera 1981.

SONTAG, Susan. Sobre Fotografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

WALTON, Kendall. Transparent Pictures: On the nature of photographic realism. Critical Inquiry, v. 11, p. 246-277, dez. 1984.

_________ . Mimesis as Make Believe: On the fondations of the representational arts. Cambridge: Harvard University Press, 1990.

_________ . Sobre Imagens e Fotografias: Resposta a algumas objeções. IN: Ramos, Fernão P. Teoria Contemporânea do Cinema. Documentário e Narratividade Ficcional. vol. II. São Paulo: Ed. Senac, 2004. p 105-127.

Downloads

Publicado

2020-12-24

Como Citar

Ramos, F. P. (2020). Como é que é ’ver através’ uma fotografia. Revista Eco-Pós, 23(3), 442–447. https://doi.org/10.29146/eco-pos.v23i3.27615