O sentimento que nos faz irmãs: construções discursivas da sororidade em mídias sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29146/eco-pos.v23i3.27601

Resumo

A palavra sororidade, uma espécie de sentimento de irmandade entre mulheres, sequer chegou aos dicionários, mas já motiva uma série de textos ativistas, jornalísticos e publicitários dispersos na internet. Neste artigo, faço uma análise do discurso foucaultiana das definições de sororidade presentes nos links mais compartilhados sobre o tema em sites de redes sociais. Dois eixos são explorados: a associação do conceito ao campo semântico dos sentimentos, especialmente à empatia; e as diferentes origens atribuídas à sororidade, vista ora como parte de uma essência feminina, ora como resultado de uma postura ético-política desenvolvida a partir da sociabilidade entre mulheres. A investigação do conceito revela, a partir de uma perspectiva de gênero, o nexo entre sentimentos, moralidade e política em processos comunicacionais contemporâneos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiane Leal, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

Pesquisadora de Pós-Doutorado do Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia (INCT-CPCT), vinculado à Fiocruz, com bolsa Faperj. Doutora e Mestre em Comunicação e Cultura pela ECO-UFRJ.

Referências

AHMED, Sara. Living a feminist life. Durham: Duke University Press, 2017.

ANJOS, Júlia Cavalcanti Versiani dos. Megeras (in)domadas: discurso de ódio antifeminista nas redes sociais. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Comunicação. Rio de Janeiro, 2019.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo – volume 1: fatos e mitos. São Paulo: Difusão europeia do livro, 1970.

BOGADO, Maria. Rua. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Explosão feminista: arte cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

BUITONI, Dulcília Helena Schroeder. Imprensa feminina. Rio de Janeiro: Ática, 1986.

COPLAN, Amy & GOLDIE, Peter. Empathy: philosophical and psychological perspectives. Oxford: Oxford University Press, 2011.

DEBES, Remy. From Einfühlung to empathy: sympathy in early Phenomenology and Psychology. In: SCHLIESSER, Eric (Ed.). Sympathy: a history. Oxford: Oxford University Press, 2015, p. 286-322.

DUARTE, Constância Lima. Imprensa feminina e feminista no Brasil: século XIX – dicionário ilustrado. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Trabalhar com Foucault: arqueologia de uma paixão. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

________. História da sexualidade I: a vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

FREIRE FILHO, João. Correntes da felicidade: emoções, gênero e poder. Matrizes, v. 11, n. 1, 2017, p. 61-81.

FREVERT, Ute. Emotions in history: lost and found. Central European University Press: Budapeste/Nova Iorque, 2011.

GILL, Rosalind. Análise do discurso. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002, p. 244-270.

________. Gender and the media. Nova Hampshire: Polity, 2007.

GREY, Breda. Empathy, emotion and feminist solidarities. In: RUBERG, Willemijn; STEENBERGH, Kristine. Sexed sentiments: interdisciplinary perspectives on gender and emotion. Nova Iorque: 2011, 207-232.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro. Dicionário Houaiss eletrônico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. CD-ROM.

HUME, David. Tratado da natureza humana. São Paulo: Unesp, 2009.

IRVINE, Janice. M. Transient feelings: sex panics and the politics of emotions. GLQ: A Journal of Lesbian and Gay Studies, v. 14, n. 1, 2007, p. 1-40.

LUTZ, Catherine. Engendered emotion: gender, power and the rhetoric of emotional control in American discourse. In: LUTZ, Catherine A. & ABU-LUGHOD, Lila (Eds.). Language and the politics of emotion. Nova Iorque: Cambridge University Press, 1990, p. 69-91.

MCROBBIE, Angela. Pós-feminismo e cultura popular: Bridget Jones e o novo regime de gênero. Cartografias Estudos Culturais e Comunicação, Porto Alegre, 2006, p. 1-10.

PERROT, Michelle. Mulheres públicas. São Paulo: Unesp, 1998.

QUEIROZ, Nana (Ed.). Você já é feminista! Abra este livro e descubra o porquê. São Paulo: Pólen, 2016.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SMITH, Adam. Teoria dos sentimentos morais. São Paulo: Martins Fontes, 2015a.

SMITH, Tiffany Watt. The book of human emotions: from ambiguphobia to umpty – 154 words from around the world for how we feel. Nova Iorque: Little, Brown and Company, 2015b.

TAYLOR, Charles. A ética da autenticidade. São Paulo: Realizações, 2011.

_________. As fontes do self: a construção da identidade moderna. São Paulo: Loyola, 2013.

VIEIRA, Elizabeth Meloni. A medicalização do corpo feminino. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2002.

Downloads

Publicado

2020-12-24

Como Citar

Leal, T. (2020). O sentimento que nos faz irmãs: construções discursivas da sororidade em mídias sociais. Revista Eco-Pós, 23(3), 139–164. https://doi.org/10.29146/eco-pos.v23i3.27601