“Não estamos aqui para brincar”

Considerações sobre transfeminismos, materialidades e audiovisibilidades do Projeto Existimos no Instagram

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29146/ecopos.v24i3.27588

Palavras-chave:

Liminaridades, Transfeminismo, Materialidades, Audiovisibilidades, Projeto Existimos

Resumo

O presente texto tem como objetivo principal problematizar o Projeto Existimos, perfil do Instagram que traz relatos de pessoas trans em situação de rua em São Paulo no período da pandemia do Covid-19. Fizemos uso   dos seguintes operadores conceituais: liminaridades, transfeminismo, materialidades, audiovisibilidades e utilizamos a Cartografia dos Sentidos como método de pesquisa.  O intuito é de iluminar o campo  da comunicação a partir de cruzamentos epistemológicos e teóricos radicados nos estudos de gênero, nos estudos feministas e na antropologia urbana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Tavares das Neves, ESPM - Escola Superior de Propaganda e Marketing

Doutor e mestre em Ciências Sociais (UFRN), fez estágio pós-doutoral em Comunicação e Práticas de Consumo (ESPM-SP). Possui graduação em Rádio e TV e em Jornalismo (UFRN). É vice-coordenador do GP Comunicação e Culturas Urbanas da Intercom. Participa do grupo Estudos Transdisciplinares em Comunicação e Cultura – Marginália e é pesquisador do GP Juvenália. Atualmente, cursa Licenciatura em Letras - Inglês (Estácio/RN). Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em corpo, afetos, festas de música eletrônica, tecnologia, educação a distância, antropologia urbana, filosofia pós-estruturalista, estudos de gênero.

Gabriela Cleveston Gelain, ESPM - Escola Superior de Propaganda e Marketing

Jornalista (UFSM), mestra em Comunicação (UNISINOS) e pesquisadora. Atualmente é doutoranda em Comunicação no PPGCOM em Comunicação e Práticas de Consumo (ESPM-SP), com apoio da CAPES. Mestra em Ciências da Comunicação (2017) pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Ao longo do mestrado, também foi bolsista pela CAPES. Em 2020 tornou-se pesquisadora associada na rede de investigação latino-americana CLACSO, no GT Infancias y Juventudes e tornou-se membro da comitê científico da Punk Scholars Network (PSN) Brasil. Desde 2016, integra a equipe executiva do Congresso Internacional Keep It Simple, Make it Fast (KISMIF Conference) em Portugal, coordenado pela professora Paula Guerra (Universidade do Porto - FLUP). É pesquisadora no grupo de pesquisa Juvenália (PPGCOM/ESPM), coordenado por Rose de Melo Rocha e no grupo de pesquisa URBESOM (PPG UNIP-SP). 

Milene Migliano Gonzaga, UNIP

Professora do curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), pesquisadora do Grupo de Estudos em Experiência Estética: Comunicação e Artes (GEEECA) da UFRB e também do Grupo de Pesquisa Juvenália: questões estéticas, geracionais, raciais e de gênero em comunicação e consumo do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Consumo (PPGCOM) da ESPM/SP. Doutora em Arquitetura e Urbanismo, na linha Processos Urbanos Contemporâneos pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Publicou Entre a Praça e a Internet: outros imaginários políticos possíveis na Praia da Estação, pela Editora UFRB, em 2020.

Referências

GOMEZ, Alvaro Días; SALGADO, Sara Victoria Alvarado. Subjetividade política encorpada. Revista Colombiana de Educación, N.º 63, p. 111-128, segundo semestre de 2012.

AMARAL, Adriana; BARBOSA, Camila; POLIVANOV, Beatriz. Subcultura, re(a)presentação e autoironia em sites de rede social: o caso da fanpage “gótica desanimada” no Facebook. Revista Lumina - Revista do Programa de Pós-Graduação da UFJF, n. 2, v. 9, p. 01-18. dez. 2015.

ARANTES, Antônio. “A guerra dos lugares: mapeando zonas de turbulência”. In: ARANTES, Antonio. Paisagens Paulistanas: transformações do espaço público. Campinas: Editora Unicamp, 2000.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas Vol. I – Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo: Brasiliense, 1996 [1940].

________________. Passagens. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

BATISTA, Beatriz Beraldo. Por saias e causas justas: Feminismo, comunicação e consumo na Marcha das Vadias. Manuscrito da dissertação defendida no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Consumo da ESPM; São Paulo: 2014.

BENTO, Berenice. Queer o quê? Ativismo e estudos transviados. Revista Cult. São Paulo, 2014, pp. 43-46.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas - notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, Judith. Corpos que importam - os limites discursivos do “sexo”. São Paulo: N-1 edições e Crocodilo Edições, 2019.

BUTLER, Judith. “Corpos que ainda importam” In: COLLING, Leandro (org). Dissidências sexuais e de gênero. Salvador: EDUFBA, 2016.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 2004.

CHONG, Natividad Gutiérrez. Interseccionalidad. In: COLLING, Ana Maria; TEDESCHI, Losandro Antonio (org.). Dicionário crítico de gênero. Dourados, MS: Ed. Universidade Federal da Grande Dourados, 2019.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2011.

________________________. Remontar, remontagem do tempo. Caderno de Leituras n.47, Edições Chão da Feira, 2016. http://chaodafeira.com/cadernos/remontar-remontagem-do- tempo/.

FELINTO, Erick - "Material idades da Comunicação: Por um novo Lugar da Matéria na teoria da Comunicação". Revista Eletrônica Ciberlegenda, n. 5, 2001.

FOUCAULT, Michel. Os anormais: curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

FREIRE, Paulo. Política e educação. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

GAGO, Veronica. A potência feminista ou o desejo de transformar tudo. São Paulo: Editora Elefante, 2020.

GREINER, Christine. O corpo – pistas para estudos indisciplinares. São Paulo: Annablume, 2005.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto, 2010.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Transfeminismo: Teorias e Práticas. Rio de Janeiro: Metanoia Editora, 2014.

KOYAMA, Emi. “The Transfeminist Manifesto”. In: DICKER, Rory; PIEPMEIER, Alison (Orgs.). Catching a wave: reclaiming feminism for the 21st Century. Boston: Northeastern University Press, 2003.

LEMOS, André. Cidade e mobilidade. Telefones celulares, funções pós-massivas e territórios informacionais. Matrizes, São Paulo, v. 1, n. 1, out., p. 121-137, 2007. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/matrizes/ article/view/38180/40911 Acesso em: 23 jul. 2020.

(AUTOR 2), 2020.

MUÑOZ, José Esteban. Disidentifications: Queers of Color and the Performance of Politics. Minneapolis & London: University of Minnesota Press, 1999.

MUÑOZ, José Esteban. Ephemera as Evidence: Introductory Notes to Queer Acts', Women & Performance: a journal of feminist theory. 1996.

PELÚCIO, Larissa. Abjeção e desejo: uma etnografia travesti sobre o modelo preventivo de aids. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2009.

PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. Queer decolonial: quando as teorias viajam. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar. São Carlos, v. 5, n. 2, jul.-dez. 2015, pp. 411-437.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto contrassexual – práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

PRECIADO, Paul B. Transfeminismo. São Paulo: n-1 edições, 2018.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. Rio de Janeiro: Editora 34, 2009.

_________________. O espectador emancipado. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2012.

RICH, Adrienne. Heteronormatividade compulsória e existência lésbica. Revista Bagoas, n. 05, 2010, p.17 - 44, Natal: UFRN.

ROSA, Thais et al. Liminaridades In: Corpocidade: gestos urbanos. Salvador: Edufba, 2017.

ROCHA, Rose de Melo. É a partir das imagens que falamos de consumo: reflexões sobre fluxos visuais e comunicação midiática. In: CASTRO, Gisela Granjeiro da Silva; BACCEGA, Maria Aparecida (orgs.). Comunicação e consumo nas culturas locais e global. São Paulo: ESPM, 2009. p. 268-293.

ROCHA, Rose de Melo. Eram inconoclastas nosso ativistas? A representação na berlinda e as práticas comunicacionais como formas (políticas) de presença. In: ROXO, E. J. E. T. J. J. J. M. (Ed.). . Reinvenção Comunicacional da Política: modos de habitar e desabitar o século XXI. [s.l.] Compós; EDUFBA, 2016. p. 292.

ROCHA, Rose de Melo. Críticas do audiovisível. Rumores (USP), v. 13, p. 50-65, 2019.

SARAIVA, Márcio Sales. “Gênero e orientação sexual: uma tipologia para o movimento transfeminista” In: JESUS, Jaqueline Gomes de ... [et al.]. Transfeminismo: teorias & práticas. Rio de Janeiro: Metanoia Editora, 2014.

SILVA, Regina Helena Alves et al. Dispositivos de memória e narrativas do espaço urbano: cartografias flutuantes no tempo e espaço. E-Compós, Brasília, v. 11, p. 1-17, 2008.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Neves, T. T. das, Gelain, G. C., & Gonzaga, M. M. (2021). “Não estamos aqui para brincar”: Considerações sobre transfeminismos, materialidades e audiovisibilidades do Projeto Existimos no Instagram. Revista Eco-Pós, 24(3), 328–354. https://doi.org/10.29146/ecopos.v24i3.27588