Mulheres Negras nas Artes Visuais: Modos de resistência às imagens coloniais de controle

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29146/eco-pos.v23i3.27572

Resumo

Este artigo busca identificar padrões contemporâneos de resistência a imagens de controle nas artes visuais, entendendo que o corpo negro serviu, sob violenta apropriação, à construção da modernidade e de suas estéticas coloniais. Mulheres negras, sobretudo, são reduzidas a imagens de controle que restringem suas existências, em um contínuo processo de fortalecimento de dinâmicas de opressão de gênero e raça. No entanto, ao perceber a emergência de iniciativas artísticas que resistem a estas reduções de subjetividade, este trabalho identifica modos de produção estética imersos no projeto decolonial, questionando os modos de fazer arte sob a inscrição e/ou projeção do corpo negro feminino. São identificados três modos de resistência às imagens de controle - enfrentamentos à submissão, ressignificação das ausências e reivindicação da autonomia sexual -, com o intuito de contribuir para o olhar epistemológico sobre estas manifestações artísticas e seus impactos comunicacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Carrera, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Professora da Escola de Comunicação - Universidade Federal do Rio de Janeiro - ECO/UFRJ, do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Feederal Fluminense (PPGCOM/UFF) e do Programa de Pós-graduação em Estudos da Mídia (PPgEM/UFRN). Doutora em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Líder do LIDD - Laboratório de Identidades Digitais e Diversidade (UFRJ)

Daniel Meirinho, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Professor do departamento de Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e do Programa de Pós-graduação em Estudos da Mídia (PPgEM/UFRN). Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa (UNL) e mestre em Comunicação e Artes pela Universidade Nova de Lisboa (UNL).

Referências

ARAÚJO, Emanoel (Org.). A mão afro-brasileira: significado da contribuição artística e histórica. São Paulo: Tenenge, 1988.

BHABHA, Homi. "A questão do `outro': diferença, discriminação e o discurso do colonialismo", in H.B.de Hollanda (org.), Pós-modernismo e política, Rio de Janeiro, Rocco, 1992

BUENO, Winnie. Imagens de Controle: um Conceito do Pensamento de Patricia Hill Collins. Porto Alegre: Zouk Editora, 2020

CARDOSO, Cláudia Pons. Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez. Revista Estudos Feministas, v. 22, n. 3, p. 965-986, 2014.

CARNEIRO, Sueli. Gênero Raça e Ascensão Social. Revista Estudos Feministas, v. 3, n. 2, p. 544, 1995.

COLLINS, Patricia Hill. Black feminist thought: Knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. Nova York: Routledge, 2002.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo:Boitempo Editorial, 2016.

DE BARROS, Laan Mendes; FREITAS, Kênia. Experiência estética, alteridade e fabulação no cinema negro. Revista ECO-Pós, v. 21, n. 3, p. 97-121, 2018.

FREITAS, Kênia. Fabulações críticas em curta-metragens negros brasileiros. Multiplot. Disponível em: http://multiplotcinema.com.br/2019/03/fabulacoes-criticas-em-curta-metragens-negros-brasileiros/, 2019. Acesso em: 27 junho de 2020.

GERALDO, Sheila Cabo. O corpo negro e as marcas da violência colonial e pós-colonial. Anais do XXXVI Colóquio do Comitê Brasileiro de História da Arte, Rio de Janeiro, 2016.

GILROY, Paul. Entre campos: nações, culturas e o fascínio da raça. São Paulo: Annablume, 2007.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afrolatinoamericano. Revista Isis Internacional, Santiago, v. 9, p. 133-141, 1988

hooks, bell. Olhares negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019.

LOTIERZO, Tatiana. Contornos do (in)visível Racismo e Estética na pintura brasileira (1850-1940). São Paulo: Edusp, 2017

MIGNOLO, Walter D. Aiesthesis decolonial. CALLE 14: revista de investigación en el campo del arte, v. 4, n. 4, p. 10-25, 2010.

MUNANGA, Kabengele. Arte afro-brasileira: o que é afinal?. Paralaxe, v. 6, n. 1, p. 5-23, 2019.

NOGUEIRA, Isildinha Baptista. Significações do corpo negro. Tese de Doutorado. Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

PAULINO, Rosana. Imagens de sombras, Tese (Doutorado em Artes Visuais) - Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

PICANCIO, Gabriela Valer; DOS SANTOS, Rafael José; BOONE, Silvana. Do animal imoral à total invisibilidade: a representação da mulher negra nas artes visuais e na literatura brasileiras. Conexão-Comunicação e Cultura, v. 18, n. 35, 2020.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos rumos, v. 37, n. 17, p. 4-28, 2002.

SIMIONI, Ana Paula. Bordado e transgressão: questões de gênero na arte de Rosana Paulino e Rosana Palazyan. PROA Revista de Antropologia e Arte, n. 2, p. 1-20, 2010.

TVARDOVSKAS, Luana Saturnino. Tramas feministas na arte contemporânea brasileira e argentina: Rosana Paulino e Claudia Contreras. Artelogie, v. 5, p. 1-20, 2013.

VIANA, Gê. Ensaio Visual: Série Sapatona. Logos, v. 27, n. 1, 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-24

Como Citar

Carrera, F., & Meirinho, D. (2020). Mulheres Negras nas Artes Visuais: Modos de resistência às imagens coloniais de controle. Revista Eco-Pós, 23(3), 55–81. https://doi.org/10.29146/eco-pos.v23i3.27572