Temporalidades liminares e liminoides

Música e semiotical blues nos bailes da saudade de Belém

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29146/eco-ps.v25i3.27500

Palavras-chave:

Bailes da saudade, Festa, Saudade, Temporalidade, Emoção

Resumo

O artigo reflete sobre as sensibilidades musicais presentes nos tradicionais “bailes da saudade” de Belém, Pará. Partido de dados produzidos por uma etnografia com sete meses de duração, procura-se discutir um dos aspectos centrais dessas sensibilidades: a sua disposição temporal. Relaciona-se etno-grafia e fenomenologia na compreensão dos fenômenos culturais relacionados a essa sensibilidade, identificando seus componentes nostálgicos por meio de uma categoria analítica: o semiotical blues. Parte-se do debate de Turner (2012) sobre liminaridades e liminoides para refletir sobre a relação entre música, temporalidade e emoção. Nesse trajeto recorre-se também Schutz (1967; 2012), utilizan-do-o para refletir a respeito dos processos intersubjetivos que compõem a cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabio Fonseca de Castro, Universidade Federal do Pará

Doutor em sociologia pela Universidade de Paris V e pós-doutor pela Universidade de Montreal. Professor dos Programas de Pós-graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia e em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará.

Referências

AMARAL, Paulo. Estigma, cosmopolitismo e o serbrega: sobre a produção musical do tecnobrega em Belém do Pará. Belém: Editora da Universidade do Estado do Pará, 2018.

_______. Estigma e cosmopolitismo na constituição de uma música popular urbana de periferia: etnografia da produção do tecnobrega em Belém do Pará. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Artes. Programa de Pós-Graduação em Música. 2009.

BLATTNER, William D. Existential temporality in Being and Time (Why Heidegger is not a pragma¬tist). In: DREYFUSS, Hubert; HALL, Harrisson (Eds.) Heidegger: a critical reader. Massachussets: Basil, Blackwell, 1992, p. 99-129.

CASTRO, Fábio. A Cidade Sebastiana. Era da Borracha, memória e melancolia numa capital da periferia da modernidade. Belém: Edições do Autor, 2010.

_______. Semiotical blues: artifícios da temporalidade nostálgica. Revista Eco-Pós (Online), v. 18, p. 103-115, 2015.

________. As Identificações amazônicas. Belém: NAEA, 2018.

________. Música, temporalidade e emoção nos bailes da saudade de Belém. Revista Brasileira de Sociologia da Emoção (Online), v. 19, p. 111-121, 2020.

COSTA, Antônio. A Festa dentro da Festa: Recorrências do modelo festivo do circuito bregueiro no Círio de Nazaré em Belém do Pará. In: Campos - Revista de Antropologia, v. 7, n. 2, p. 83-100, 2006.

________. Festa na Cidade: o circuito bregueiro de Belém do Pará. Belém: Artimpressa, 2007.

________. Festa e espaço urbano: Meios de sonorização e bailes dançantes na Belém dos anos 1950. In: Rev. Bras. Hist., 2012, v. 32, n. 63, p. 381-402, 2012. Disponívelem<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882012000100018&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 27 fev. 2021.

________. Bailes da “Saudade” e do “Passado”: Atualidades do circuito bregueiro de Belém do Pará. In: Ponto Urbe. Revista do núcleo de antropologia urbana da USP, v. 3, n. 1, p. x-x, 2008. Disponível em: http://www.n-au.org/pontourbe03/mauriciocosta.html. Acesso em: 13 de fevereiro de 2020.

COSTA, Hans; CASTRO, Fábio; CASTRO, Marina. Consumo e socialidade nas festas de aparelhagem de Belém. Estudios sobre las culturas contemporáneas, v. 53, p. 137-161, 2021.

DaMATTA, Roberto. O Ofício de etnólogo, ou como ter “Anthropological Blues”. In: NUNES, Edson (org.). A Aventura Sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978. p. 23-35.

DERRIDA, Jacques. De la grammatologie. Paris: Minuit, 1967.

_______. A voz e o fenômeno. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

DOUGLAS, Mary. Purity and Danger. London: Routledge&Kegan Paul, 1966.

_______. Implicit meanings essays in anthropology. London: Routledge, 1984.

ELSBREE, Langdon. Ritual passages and narrative structures. New York: P. Lang, 1991.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Campinas / Petrópolis: Unicamp/ Vozes, 2012.

LEVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996.

LIMA, Andrey. “O Caribe é Aqui!": Considerações sobre a construção de uma identidade ético-estética paraense. Trabalho apresentado na 27a. Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 01 e 04 de agosto de 2010, Belém, Pará, Brasil.

LIMA, Andrey; CHAGAS JÚNIOR, Edgar. O fenômeno das festas de aparelhagem: experiências, gregarismos e contradições. Asas da palavra, v. 16, n. 1, p. 52-64, 2019.

MAIA, Mauro. Música e Sociedade: a performance midiática do tecnobrega de Belém do Pará. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais), Universidade Federal do Pará. Belém: UFPA, 2008.

SCHUTZ, Alfred. Common-sense and scientific interpretation of human action. In: Philosophy and Phenomenological Research, v. 14, n. 1, pp. 1-38, 1953. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/2104013. Acesso em: 20 de novembro de 2020.

________. Collected papers, vol. 1: The problem of social reality. The Hague: Martinus Nijhoff, 1973, pp. 3-47.

________. Sobre fenomenologia e relações sociais. Petrópolis: Vozes; 2012.

SILVA, Expedito. Do bordel às aparelhagens: a música brega paraense e a cultura popular massiva. Tese de Doutorado em Ciências Sociais. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2009.

STRAW, Will. Systems of articulation, logics of change: communities and scenes in popular music. In: Cultural Studies. v. 5, n. 3, 1991, pp. 368-388.

SZAKOLCZAI, Arpad. Liminality and Experience: Structuring transitory situations and transformative events. International Political Anthropology, v. 2, n. 1, p. 141-172, 2009.

THOMASSEN, Bjorn. The Uses and Meanings of Liminality. In: International Political Anthropology, v. 2, n. 1, p. 5-27, 2009.

TAYLOR, Charles. Sources of the Self: The Making of the Modern Identity. Cambridge: Harvard University Press, 1989.

TURNER, Victor. Liminal ao Liminoide: em brincadeira, fluxo e ritual. Um ensaio de simbologia comparativa. In: Mediações, Revista de Ciências Sociais. Londrina, v. 17 n.2, p. 214- 257, 2012.

VAN GENNEP, Arnold. Os ritos de passagem. Petrópolis: Vozes, 1978.

VAN LOON, Jost. A cultural exploration of time. Some implications of temporality and media¬tion. In: Time & Society, v. 5, n. 1, p.61-84, 1996.

Downloads

Publicado

2022-12-18

Como Citar

Fonseca de Castro, F. (2022). Temporalidades liminares e liminoides : Música e semiotical blues nos bailes da saudade de Belém. Revista Eco-Pós, 25(3), 295–317. https://doi.org/10.29146/eco-ps.v25i3.27500