O plano-sequência seriado: A imersão realista na ficção televisiva contemporânea

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29146/ecopos.v24i1.27405

Resumo

O plano-sequência representou um importante método de organização da mise-en-scène cinematográfica, sobretudo dentro da tradição realista, e sua prática foi largamente analisada sob a ótica dessa importância. Dentro dos estudos de cinema, as pesquisas sobre o plano-sequência remontam à segunda metade do século XX, com a sua emergência enquanto categoria estética no Neorrealismo Italiano dos anos 1940-50 – trajetória descrita por autores como Bazin (2014), Xavier (2005) e Bordwell (2008). Nosso objetivo neste artigo, todavia, é discutir aspectos teóricos e analíticos do uso do plano-sequência, agora em séries televisivas contemporâneas, observando as suas possibilidades estilísticas em séries como True Detective, Louie e Sob Pressão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcel Vieira Barreto Silva, Universidade Federal da Paraíba

Professor adjunto do Departamento de Comunicação e do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal da Paraíba.

Referências

AUMONT, Jacques et alli. A Estética do Filme. Campinas – SP: Editora Papirus, 2002.

BAZIN, André. O que é o cinema? São Paulo: Cosac Naify, 2014.

BORDWELL, David. Figuras Traçadas na luz. Campinas – SP: Editora Papirus, 2008.

BUTLER, Jeremy. Television Style. New York – US: Routledge, 2010.

CARDWELL, Sarah. ‘Television aesthetics’ and close analysis: style, mood and engagement in Perfect Strangers (Stefen Poliakoff, 2001). In: GIBBS, John; PYE, Douglas. Style and meaning: Studies in the detailed analysis of film. Manchester – UK: Manchester University Press, 2014. p. 179-194.

FABRIS, Mariarosaria. O neo-realismo cinematográfico italiano. São Paulo: Edusp, 1996.

FAEDRICH, Anna. Autoficção: um percurso teórico. Criação e crítica. n. 17. p. 30-46. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i17p30-46. Acesso em 27/11/2019.

GIBBS, John; PYE, Douglas. The long take: Critical approaches. London – UK: Palgrave MacMillan, 2017.

JACOBS, Jason; PEACOCK, Steven. Television Aesthetics and Style. New York – US: Bloomsbury, 2013.

NOXON, Gerald. Some Observations on the Anatomy of the Long Shot: An Extract from Some Literary Origins of Cinema Narrative Being the First of a Series: Three Studies in Cinema. The Journal of the Society of Cinematologists. Vol. 4/5, University of Texas Press, 1964. p. 70-80.

O’SULLIVAN, Sean. True Detective (2014), Looking (2014), and the Televisual Long Take. In: GIBBS, John; PYE, Douglas. The long take: Critical approaches. London – UK: Palgrave MacMillan, 2017.

PICADO, Benjamin; JACOB, Maria Carmem. Dimensões da autoria e do estilo na ficção seriada televisiva. Matrizes, São Paulo, v. 12, n. 2, maio/ago, 2018.

ROCHA, Simone Maria. O estilo televisivo e sua pertinência para a TV como prática cultural. FAMECOS, Porto Alegre, v. 21, n. 3, p. 1082-1099, set.-dez., 2014.

STEWART, Michael (ed.). Melodrama in Contemporary Film and Television. London – UK: Palgrave MacMillan, 2014.

WICKMAN, Forrest. The Long Takes of Louie. Slate. 28/05/2014. Disponível: https://slate.com/culture/2014/05/louie-long-takes-season-4-is-full-of-uninterrupted-shots-take-that-true-detective.html. Acesso em: 27/11/2019.

WILLIAMS, Linda. On The Wire. Durham, North Carolina: Duke University Press Books, 2014.

XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

ZIELINSKI, Siegfried. Audiovisions: Cinema and Television as Entr’actes in History. Amsterdam – NLD: Amsterdam University Press, 1999.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

Barreto Silva, M. V. (2021). O plano-sequência seriado: A imersão realista na ficção televisiva contemporânea. Revista Eco-Pós, 24(1), 235–256. https://doi.org/10.29146/ecopos.v24i1.27405

Edição

Seção

Perspectivas