Do racismo epistêmico às cotas raciais: A demanda por abertura na universidade

Autores

  • Zilda Martins LECC/ECO/UFRJ
  • Angélica Basthi LECC/ECO/UFRJ - integrante do grupo de estudos sobre Relações Raciais no Brasil
  • Raika Julie LECC/ECO/UFRJ - integrante do grupo de estudos sobre Relações Raciais no Brasil
  • Amanda Moura LECC/ECO/UFRJ - integrante do grupo de estudos sobre Relações Raciais no Brasil
  • Lídia Michelle LECC/ECO/UFRJ

DOI:

https://doi.org/10.29146/eco-pos.v21i3.20276

Resumo

Este artigo é uma reflexão acerca do racismo, a partir do diálogo entre intelectuais negros e negras, professores e pesquisadores de diferentes campos do saber de universidades brasileiras. Os entrevistados apontam o contraste entre o racismo epistêmico, eurocentrado, e a nova realidade dos campi diante das políticas públicas de ações afirmativas e cotas raciais. Ressaltam o tensionamento da questão e a demanda de abertura para o pensamento crítico sobre a nova realidade das relações raciais brasileiras, que exigem transformação. Fenômenos comunicacionais também são debatidos, assim como a necessidade de um novo ethos social, livre da herança da opressão colonial.  

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Zilda Martins, LECC/ECO/UFRJ

Pós-doutoranda em Comunicação e Antropologia do Contemporâneo pela École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS), Doutora em Comunicação e Cultura pela Escola de Comunicação da UFRJ, pesquisadora do Laboratório de estudos em Comunicação Comunitária (LECC/UFRJ) e coordenadora do Grupo de Estudos sobre Relações Raciais no Brasil. Bolsista Capes.

Angélica Basthi, LECC/ECO/UFRJ - integrante do grupo de estudos sobre Relações Raciais no Brasil

Jornalista e mestre em Comunicação e Cultura pela ECO/UFRJ

Raika Julie, LECC/ECO/UFRJ - integrante do grupo de estudos sobre Relações Raciais no Brasil

Mestre em Comunicação pela ECO/UFRJ

Amanda Moura, LECC/ECO/UFRJ - integrante do grupo de estudos sobre Relações Raciais no Brasil

Jornalista

Lídia Michelle, LECC/ECO/UFRJ

Jornalista

Referências

AMARAL FILHO, Nemézio. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Entrevista concedida, 2018.

ALMEIDA, Silvio. O que é racismo estrutural. 2018. Belo Horizonte. Ed. Letramento, Justificando, 2018.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América

Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Disponível em: http://www.unifem.org.br/sites/ 700/00000690.pdf.

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre a Negritude. MOORE, Carlos (Org.). Belo Horizonte: Nandyala, 2010.

________. Discurso sobre o Colonialismo. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1985.

DERRIDA, Jacques. A universidade sem condição. São Paulo: Estação Liberdade, 2003.

DIAS, Luciente. Universidade Federal de Goiás. Entrevista concedida, 2018.

FELISBERTO, Fernanda. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Entrevista concedida, 2018.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

HALL, Stuart. Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

_______. “Quem precisa da identidade”. In: Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Ed. Vozes, 2000.

MALACHIAS, Rosangela. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Entrevista concedida, 2018.

MBEMBE, Achille. A Crítica da Razão Negra. Ed. Antígona, Lisboa 2017.

MIRANDA, Claudia. Universidade do Rio de Janeiro. Entrevista concedida, 2018.

MOORE, Carlos. Prefácio “Negro Sou, Negro Ficarei” - A negritude segundo Aimé Césaire. In: CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre a Negritude. MOORE, Carlos. (Org,). Belo Horizonte: Nandyala, 2010.

MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. 2. Edição. São Paulo: Atica, 1988.

________ . Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: Identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Vozes, 2001.

REZENDE, Maria Alice. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Entrevista concedida, 2018

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, Justificando, 2017.

RIBEIRO, Katiúscia. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Entrevista concedida, 2018

SILVA, Tadeu Tomaz da. Identidade e Diferença. Pedropois: Vozes, 2000.

SODRÉ, Muniz. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis: Vozes, 2002.

___________. As estratégias sensíveis: afeto, mídia e política. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

___________. A verdade seduzida: por um conceito de cultura no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: DP&A, 2005.

__________. Claros e escuros: identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999, 2015.

___________. O terreiro e a cidade: a forma social negro-brasileira. Rio de Janeiro, RJ: Imagi Ed.; Salvador, BA: Fundação Cultural do Estado da Bahia, 2002.

Downloads

Publicado

2018-12-26

Como Citar

Martins, Z., Basthi, A., Julie, R., Moura, A., & Michelle, L. (2018). Do racismo epistêmico às cotas raciais: A demanda por abertura na universidade. Revista Eco-Pós, 21(3), 122–146. https://doi.org/10.29146/eco-pos.v21i3.20276

Edição

Seção

Dossiê