Entre o interacional e o interseccional: Contribuições teórico-conceituais das intelectuais negras para pensar a comunicação

Autores

  • Laura Guimarães Corrêa Universidade Federal de Minas Gerais
  • Pâmela Guimarães-Silva Universidade Federal de Minas Gerais
  • Mayra Bernardes Universidade Federal de Minas Gerais
  • Lucianna Furtado Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.29146/eco-pos.v21i3.20198

Resumo

Neste artigo, propomos o entrelaçamento das contribuições teóricas de intelectuais negras com o paradigma relacional da comunicação. Tomando como ponto de partida dois episódios de racismo envolvendo celebridades no Brasil em 2017 (o ataque à filha adotiva de Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank, e a repercussão negativa da palestra de Taís Araújo sobre o preconceito racial contra seus filhos), e também nossas vivências como pesquisadoras negras, exploramos os conceitos de interseccionalidade, desenvolvido por Kimberlé Crenshaw (1989), e de estrangeira de dentro (outsider within), desenvolvido por Patricia Hill Collins (2016), a fim de evidenciarmos como a visão interseccional pode contribuir para complexificar a análise de fenômenos comunicacionais numa sociedade marcada por desigualdades de raça e gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Guimarães Corrêa, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora Doutora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da UFMG, com vínculo à linha Processos Comunicativos e Práticas Sociais. Integra a diretoria do Centro Internacional de Semiótica e Comunicação (CISECO) e coordena o Grupo de Pesquisa em Comunicação, Raça e Gênero (Coragem).

Pâmela Guimarães-Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGCOM-UFMG). E-mail: pamelaguimaraes14@gmail.com.

Mayra Bernardes, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGCOM-UFMG). Email: mayrabernardesc@gmail.com.

Lucianna Furtado, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGCOM-UFMG). Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). E-mail: lucianna.furtado@gmail.com.

Referências

ADICHIE, Chimamanda. O Perigo da História Única. Vídeo da palestra da escritora nigeriana no evento Technology, Entertainment and Design (TED Global 2009). Disponível em: <http://bit.ly/2PACRlW>. Acesso em: 23 fev. 2018.

ARAÚJO, Taís. Como criar crianças doces em um país ácido. Vídeo da palestra da atriz no evento Technology, Entertainment and Design, em São Paulo (TEDx 2017). Disponível em: <http://bit.ly/2Q2dhY9>. Acesso em: 23 fev. 2018.

BEALE, Frances. Double jeopardy: to be Black and female. In: Cade, Toni (Ed.). The black woman, p. 90-110. New York: Signet, 1970.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Sociedade e Estado [online]. 2016, vol. 31, n. 1, p. 99-127.

______. Se perdeu na tradução? Feminismo negro, interseccionalidade e política emancipatória. Parágrafo, v. 5, n. 1, p. 6-17, jan./jun. 2017.

CORRÊA, Laura G.; VAZ, Paulo. B. F. La figure du Noir dans la publicité brésilienne: un jeu de cartes marquées. In: Sílvia Capanema P. de Almeida; Anaïs Fléchet (Orgs.). De la démocratie raciale au multiculturalisme - Brésil, Amériques, Europe. 1ª ed. Bruxelles: PIE - Peter Lang Bruxelles, 2009, v. 1, p. 171-188.

CORRÊA, Laura G. Mães cuidam, pais brincam: metodologia, bastidores e resultados de uma pesquisa sobre publicidade e gênero. Revista Contracampo, v. 28, n. 3, ed. dez./mar., ano 2013. Niterói: Contracampo, 2013. p. 136-154.

CRENSHAW, Kimberlé. A urgência da “interseccionalidade”. Vídeo da palestra da escritora estadunidense no evento Technology, Entertainment and Design (TEDWomen 2016). Disponível em: <http://bit.ly/2CvSrOa>. Acesso em: 7 set. 2018.

______. Demarginalizing the Intersection of Race and Sex: A Black Feminist Critique of Antidiscrimination Doctrine, Feminist Theory and Antiracist Politics. University of Chicago Legal Forum, vol. 1, art. 8, 1989.

______. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, ano 10, n. 1, p. 171-188, 2002.

______. Mapping the margins: Intersectionality, identity politics, and violence against women of color. Stanford Law Review, v. 43, n. 6, p. 1241-1299, jul. 1991.

DAVIS, Angela. Women, Race and Class. New York: Random House, 1981.

DILL, Bonnie Thornton. Race, Class, and Gender: Prospects for an All-Inclusive Sisterhood. Feminist Studies, v. 9, n. 1, p. 131-150, 1983.

FRANÇA, Vera. Convivência urbana, lugar de fala e construção do sujeito. Intexto, Porto Alegre: UFRGS, v. 2, n. 7, p. 1-10, jul./dez. 2001. Disponível em: <http://bit.ly/2wKxUjr>. Acesso em: 4 set. 2018.

______. O acontecimento e a mídia. Revista Galáxia. São Paulo, n. 24, p. 10-21, dez. 2012.

GONZALEZ, Lélia. Cultura, etnicidade e trabalho: efeitos lingüísticos e políticos da exploração da mulher. Comunicação apresentada no VIII Encontro Nacional da Latin American Studies Association, realizado de 05 a 07 de abril em Pittsburgh (USA), 1979 (mimeo). Disponível em: <http://bit.ly/2PCGNCH>. Acesso em: 16 jan. 2018.

GONZALEZ, Lélia. “Racismo e sexismo na cultura brasileira.” In: SILVA, Luiz Antônio Machado et al. Movimentos sociais urbanos, minorias étnicas e outros estudos. Brasília, ANPOCS, 1983. 303 p. p. 223-244. (Ciências Sociais Hoje, 2.).

hooks, bell. Intelectuais Negras. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 464, jan. 1995. ISSN 1806-9584. Disponível em: <http://bit.ly/2wI17vB>. Acesso em: 23 fev. 2018.

______. Outlaw culture: resisting representations. New York, London: Routledge, 1994.

KILOMBA, Grada. Plantation memories: episodes of everyday racism. Berlim: Unrast, 2008.

LEWIS, Diane. A response to inequality: Black women, racism and sexism. Signs, n. 3, p. 339-361, 1977.

LOURO, Guacira L. Gênero: questões para a educação. In: BRUSCHINI, Cristina e UNBEHAUM, Sandra. (Orgs.). Gênero, democracia e sociedade brasileira. São Paulo: Editora 34, 2002.

MIRZA, Heidi S. Black British Feminism: A Reader. London: Routledge, 1997.

MURRAY, Pauli. The liberation of Black women. In: Thompson, Mary Lou (Ed.). Voices of the new feminism, p. 87-102. Boston: Beacon Press, 1970.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala. Belo Horizonte: Letramento, 2017.

______. Quem tem medo do feminismo negro? Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2018.

ROSEMBERG, Fúlvia. Educação Formal, Mulher e GeÌ‚nero no Brasil ContemporaÌ‚neo. Estudos Feministas. n. 2, 2001.

SCHUTZ, Alfred. O estrangeiro: um ensaio em psicologia social. Tradução de Márcio Duarte e Michael Hanke. Revista Espaço Acadêmico, v. 10, n. 113, p. 117-129, out. 2010.

SCHWARCZ, L. Nem preto, nem branco, muito pelo contrário: Cor e raça na sociabilidade brasileira. Série ClaroEnigma. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2013. Ebook.

SIMMEL, Georg. O estrangeiro. In: MORAES FILHO, Evaristo (Org.). Simmel: Sociologia. Coleção Grandes Cientistas Sociais. São Paulo: Ática, 1983, p. 182-188.

STEADY, Filomina Chioma. The Black woman cross-culturally: an overview. In: STEADY, Filomina Chioma (Ed.). The Black woman cross-culturally, p. 7-42. Cambridge: Schenkman, 1981.

Downloads

Publicado

2018-12-26

Como Citar

Guimarães Corrêa, L., Guimarães-Silva, P., Bernardes, M., & Furtado, L. (2018). Entre o interacional e o interseccional: Contribuições teórico-conceituais das intelectuais negras para pensar a comunicação. Revista Eco-Pós, 21(3), 147–169. https://doi.org/10.29146/eco-pos.v21i3.20198

Edição

Seção

Dossiê